Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,09
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.776,10
    -7,30 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    32.605,59
    -1.422,09 (-4,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    782,03
    -28,16 (-3,48%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.906,30
    +89,23 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    28.920,12
    +45,23 (+0,16%)
     
  • NASDAQ

    14.298,50
    +35,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9270
    -0,0015 (-0,03%)
     

Bill Gates teria deixado Microsoft após relacionamento com funcionária

·2 minuto de leitura

Um caso entre Bill Gates e uma funcionária teria sido o estopim para a saída do fundador da empresa, anunciada em março de 2020. O relacionamento teria acontecido em meados do ano 2000, mas só chegou ao conhecimento da companhia em 2019, por uma carta assinada por ela. A situação detonou uma investigação interna, e a permanência do executivo no quadro de diretores foi considerada pelos demais dirigentes como inapropriada durante o processo.

A situação foi assunto de uma reportagem publicada neste domingo (16) pelo The Wall Street Journal e aponta, ainda, uma possível relação direta entre a descoberta do caso e o divórcio de Bill e Melinda Gates, anunciado no início de maio. Ela teria procurado advogados de divórcio pela primeira vez ainda em 2019, o mesmo ano em que o relato do relacionamento extraconjugal detonou uma investigação interna na Microsoft.

A mulher seria do setor de engenharia da Microsoft, mas outros detalhes sobre o caso não foram revelados pelo periódico estadunidense. A empresa, por outro lado, confirmou a realização de uma investigação, que contou com a ajuda de uma firma de advocacia independente, sobre um relacionamento entre Gates e uma funcionária em meados de 2000, que teria terminado de forma amigável, mas só chegou aos ouvidos da diretoria em 2019 — os detalhes encontrados e conclusões, porém, não foram revelados.

Por outro lado, a Microsoft negou que a saída de Gates do quadro de diretores da empresa tenha relação com o caso, corroborando as afirmações do próprio fundador sobre seu desejo de se dedicar ainda mais ao trabalho filantrópico que realiza na fundação que abriu ao lado da ex-esposa. A empresa disse ter dado todo o apoio à mulher envolvida no affair, que não foi identificada nem teve mais detalhes divulgados sobre sua permanência ou não na companhia.

As revelações são mais um episódio de uma novela de rumores e especulações que levaram ao fim do casamento de quase 30 anos entre Bill e Melinda Gates, anunciado no início de maio. Entre outros relatos publicados na imprensa estadunidense também está um desconforto dela em relação aos contatos entre o marido e o financista Jeffrey Epstein, condenado por pedofilia e exploração sexual de mulheres — novamente, uma data em 2019 é apontada como o início dos procedimentos legais para a separação, pois foi naquele ano que vieram a público os relatos sobre a aproximação entre os dois.

Oficialmente, porém, Bill e Melinda Gates mantêm o divulgado no último dia 3 de maio, quando anunciaram acreditarem que não poderiam mais crescer como casal e, por isso, optaram pela separação. Os dois devem seguir trabalhando juntos na organização filantrópica que fundaram há 21 anos e pediram que o público e a imprensa respeitassem a privacidade da família.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos