Mercado fechado

Bilionário do minério mira geração global de energia limpa

James Thornhill, Haidi Lun e Shery Ahn
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O bilionário Andrew Forrest está entre os maiores exportadores de minério de ferro do mundo. Agora, sua meta é entrar no mercado de energias renováveis dentro de dois anos sob um plano ambicioso de produzir mais energia do que gigantes como Chevron.

A Fortescue Metals, fundada por Forrest, começará a produção de combustível verde em 2022 ou 2023 e pretende desenvolver 235 gigawatts de energia limpa - equivalente a cerca de 20% da capacidade de geração total dos EUA - com a utilização de energia eólica e solar e depois com a produção de hidrogênio e amônia, disse em entrevista à Bloomberg TV.

“Chegamos à decisão de que havia energia renovável suficiente no mundo ...”, disse Forrest, também presidente do conselho da Fortescue. “Apenas temos que aplicar a tecnologia e a escala de sucesso da Fortescue para garantir que o combustível renovável possa competir com os combustíveis fósseis”, disse na segunda-feira.

A empresa com sede em Perth, que começou a exportar minério de ferro em 2008 e agora é a quarta maior exportadora do mundo, vai investir cerca de 1 bilhão de dólares australianos (US$ 732 milhões) em projetos de descarbonização e hidrogênio até 2023. Forrest não ofereceu uma previsão sobre quando a empresa atingirá sua meta de capacidade de energia, nem deu mais detalhes sobre a estratégia para financiar a expansão.

O plano de Forrest é se tornar um fornecedor de energia para setores industriais intensivos em carbono, incluindo a siderurgia, que estão sob crescente pressão de governos e investidores para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. A estratégia também coincide com passos de outras gigantes de energia, como BP e Royal Dutch Shell, que buscam aumentar a participação do segmento de renováveis em suas carteiras.

“Queremos ter um navio saindo de nossos portos a cada 30 minutos e realmente abastecer a indústria pesada mundial”, disse Forrest na entrevista. “Todos estamos à procura de um suprimento importante e regular de combustíveis renováveis, e a Fortescue está a caminho de fornecê-lo.”

Na escala desejada, o negócio de energia da Fortescue provavelmente seria mais valioso do que suas operações de minério de ferro, que em agosto divulgou lucro anual de U$ 4,7 bilhões, segundo Forrest. A empresa discute projetos de energia com 31 países e planeja incluir outras 16 nações nas conversas, disse. O desenvolvimento do negócio de energia incluirá cooperação com os EUA e com a China.

Um foco inicial será na Austrália, onde a Fortescue faz a transição de suas operações de minério de ferro para energia renovável e, então, terá como objetivo fazer o mesmo em suas redes ferroviárias, portuárias e marítimas.

“O setor de energia renovável pode ser tão grande quanto ou até um empregador maior do que o segmento de carvão na Austrália”, disse Forrest. O setor de carvão do país emprega cerca de 50 mil pessoas, de acordo com dados do governo.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.