Mercado abrirá em 4 h 19 min
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,26
    -0,40 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.777,20
    -5,70 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    31.801,41
    -1.182,30 (-3,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    759,07
    -91,27 (-10,73%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.078,87
    +16,58 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.084,00
    -46,00 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9719
    -0,0034 (-0,06%)
     

Big techs x Rússia: Kremlin aumenta censura contra Google, Facebook e Twitter

·2 minuto de leitura
Big techs x Rússia: Kremlin aumenta censura contra Google, Facebook e Twitter
Big techs x Rússia: Kremlin aumenta censura contra Google, Facebook e Twitter

Os big techs Google, Facebook e Twitter estão na mira do governo na Rússia. Em mais uma rodada de restrições, o Kremlin adotou novas regras que colocam em xeque a liberdade de expressão de usuários.

A decisão é do Serviço Federal de Supervisão de Comunicações, Tecnologia da Informação e Meios de Comunicação de Massa da Rússia, órgão federal regulador russo conhecido também como Roskomnadzor, cujas exigências podem acarretar na retirada de determinados conteúdos dos respectivos serviços.

As autoridades russas também defendem que sejam restaurados os conteúdos pró-Kremlin retirados recentemente do ar.

Caso as empresas não adotem as novas regras, o governo pode aplicar multas, começando em 1º de julho, ou até mesmo iniciar um possível bloqueio de acesso pelos usuários.

Duelo de gigantes

As restrições se tornaram rotineiras na Rússia desde que os serviços do Facebook, Twitter e Google foram utilizados para atrair manifestantes contra o Kremlin, em janeiro.

A partir desse ponto, atritos entre autoridades russas e empresas de tecnologia se acentuaram. Houve o bloqueio de milhares de peças do Google consideradas ilegais pelo Roskomnadzor, com a aplicação de multa de cerca de US$ 81 mil.

Facebook e Twitter estão sendo obrigados a armazenar dados sobre os usuários dentro do país.

Leia mais:

A escalada de restrições também já tiveram rounds em que o Kremlin dificultou o acesso ao Twitter e às postagens de usuários após a empresa se negar a retirar conteúdos considerados ilegais pelo governo russo.

De março para cá, a empresa acabou cedendo e já removeu cerca de 6 mil posts, seguindo ordens da censura locais.

Censura à web

Todas as restrições impostas no país fazem parte de uma série de ações do governo russo como forma de manter o poder do atual presidente Vladimir Putin. E segue o mesmo roteiro de censura à web adotado em vários países como China e Índia.

Governo russo está sofrendo uma série de protestos contrários à censura na web; órgão regulador deve aumentar as sanções nos próximos dias. <br>Imagem: Elena Rostunova/Shutterstock
Governo russo está sofrendo uma série de protestos contrários à censura na web; órgão regulador deve aumentar as sanções nos próximos dias.
Imagem: Elena Rostunova/Shutterstock

Na Rússia, as empresas de internet são vistas como aliadas contra os censores do governo que, por sua vez, acreditam que elas incitam protestos.

No entanto, a decisão de sair às ruas é reflexo da liberdade de expressão e utilização cada vez maior das plataformas digitais, seja para divulgar ideias contra o governo de Putin, seja para mobilizar os russos a analisar criticamente as decisões oficiais.

Trata-se de uma tendência global de engajamento do público, que atinge todas as esferas da sociedade, inclusive a política.

Em sua defesa, o Roskomnadzorv informou que as medidas objetivam o cumprimento de leis russas, que obrigam a retirada de conteúdos considerados ilegais.

O Google se recusou a discutir a situação na Rússia. O Facebook informou que “sempre se esforça para preservar a voz do maior número de pessoas”. Em nota, o Twitter escreveu que o acesso a uma internet livre e aberta é um direito essencial de todos os cidadãos”.

Via: Exame.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos