Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.646,34
    +117,37 (+0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,96
    -0,71 (-1,13%)
     
  • OURO

    1.795,20
    +16,80 (+0,94%)
     
  • BTC-USD

    56.046,64
    -172,24 (-0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.284,58
    +21,62 (+1,71%)
     
  • S&P500

    4.149,04
    +14,10 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    33.978,82
    +157,52 (+0,47%)
     
  • FTSE

    6.906,99
    +47,12 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.799,75
    +5,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6903
    -0,0122 (-0,18%)
     

Biden vai pressionar empresas a pagar nível "aceitável" de imposto

Trevor Hunnicutt
·2 minuto de leitura
Biden vai pressionar empresas a pagar nível "aceitável" de imposto

Por Trevor Hunnicutt

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai fortalecer os argumentos para sua nova proposta de gastos de mais de 2 trilhões de dólares em um discurso nesta quarta-feira, desafiando opositores ao plano e à elevação de impostos para financiá-lo.

Biden enfrenta forte oposição de republicanos, empresas e até mesmo alguns integrantes de seu próprio Partido Democrata aos elementos-chave da proposta apresentada por ele há uma semana. O plano precisa ser aprovado pelo Congresso para se tornar realidade.

O presidente tentará colocar esses oponentes na defensiva em um discurso em que "desafiará os críticos a explicar por que é aceitável que 91 das maiores corporações tenha pagado zero em impostos federais em 2019 ou definirá quais partes desse pacote não valem a pena", de acordo com um funcionário da Casa Branca que fez uma prévia dos comentários de Biden e que preferiu não ser identificado.

Biden fará o discurso no Eisenhower Executive Office Building, em frente à Casa Branca.

O presidente planeja uma série de investimentos ao longo de oito anos em gastos com estradas e pontes, reforma de casas, expansão do acesso à internet banda larga, cuidados com os idosos, fortalecimento do setor manufatureiro local e construção de ferrovias de alta velocidade.

A maior parte do financiamento para a proposta viria de um aumento acentuado na alíquota do imposto corporativo para 28%, ante taxa de 21% definida pelo projeto de lei fiscal de 2017 do então presidente Donald Trump.

O plano de Biden também aumenta tributos sobre os lucros das empresas no exterior e introduz um novo imposto mínimo sobre alguns tipos de dividendos.

Nesta quarta-feira, o Departamento do Tesouro divulgou detalhes dos componentes fiscais da proposta, incluindo planos para reforçar auditoria e fiscalização, que, segundo o Tesouro, gerariam arrecadação de 2,5 trilhões de dólares em 15 anos.

"As maiores empresas do mundo, incluindo a Amazon--, elas usaram várias brechas para não pagar um único centavo em imposto de renda federal", disse Biden ao apresentar o plano. "Eu não quero puni-las, mas isso é simplesmente errado."

O CEO da Amazon.com Inc, Jeff Bezos, disse na terça-feira apoiar o aumento da alíquota de imposto corporativo nos EUA como parte de um plano para reformar a infraestrutura do país. Mas a declaração, cuidadosamente redigida, não chegou a endossar todo o espectro dos objetivos fiscais e de gastos de Biden.

O lobby empresarial e os republicanos têm sido bastante críticos à proposta. A Câmara de Comércio dos Estados Unidos, o maior grupo empresarial do país, chamou no mês passado o aumento proposto por Biden nos impostos corporativos de "perigosamente equivocado" e alertou que ele "desaceleraria a recuperação econômica e tornaria os Estados Unidos menos competitivos globalmente".