Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.924,69
    -37,10 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Biden sanciona lei orçamentária de US$ 1,7 trilhão

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, sancionou nesta quinta-feira (29) a lei orçamentária de US$ 1,7 trilhão que manterá o financiamento do governo no próximo ano fiscal e que inclui outro grande pacote para os esforços de assistência à Ucrânia em sua guerra com a Rússia.

Biden, que passa o fim de ano em Saint Croix, nas Ilhas Virgens Americanas, publicou no Twitter uma foto assinando o projeto de lei.

"Será investido em pesquisa médica, segurança, assistência médica a veteranos e recuperação de desastres", e também financia programas que combatem a violência contra as mulheres", detalhou o presidente. Também "aloca uma ajuda crucial para a Ucrânia".

A lei orçamentária obteve o respaldo dos republicanos em um Congresso dividido, o que garantiu a sua aprovação e marcou uma nova vitória legislativa para Biden, que conclui seu segundo ano no cargo.

A lei inclui US$ 45 bilhões em ajuda econômica e militar de emergência para a Ucrânia, que luta contra a invasão russa desde 24 de fevereiro. Nesse mesmo mês, o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, esteve em Washington para pedir um aumento da ajuda americana.

A norma também inclui complementos, como uma reforma que endurece uma lei do século XIX para deixar claro que o vice-presidente dos Estados Unidos não tem o poder de anular o resultado de eleições.

O objetivo é evitar uma repetição da jogada caótica do ex-presidente Donald Trump (2017-2021) para não permitir a confirmação da vitória de Biden nas eleições presidenciais de 2020, que incluiu uma tentativa de coagir o então vice-presidente, Mike Pence, a interromper a certificação da mesma.

sms/tjj/cjc/llu/lb/am