Mercado fechará em 4 h 3 min
  • BOVESPA

    129.503,42
    -704,54 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.866,10
    -163,44 (-0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,79
    +0,91 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.861,90
    -4,00 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    40.016,61
    -650,58 (-1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    997,73
    -12,88 (-1,27%)
     
  • S&P500

    4.240,95
    -14,20 (-0,33%)
     
  • DOW JONES

    34.207,05
    -186,70 (-0,54%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.057,00
    -67,75 (-0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1735
    +0,0420 (+0,68%)
     

Biden revoga ordem de Trump que buscava limitar proteções para empresas de redes sociais

·1 minuto de leitura

Por David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, revogou um decreto de seu antecessor Donald Trump dirigido a agências reguladoras para limitarem proteções de responsabilidade para empresas de redes sociais.

A Casa Branca emitiu um decreto de Biden na noite de sexta-feira revogando vários decretos executivos de Trump. A Casa Branca não respondeu imediatamente a um pedido por comentários.

O Centro pela Democracia e Tecnologia, que havia entrado na Justiça para bloquear o decreto de Trump de maio de 2020, elogiou a medida de Biden, argumentando que o decreto de Trump "era uma tentativa de utilizar ameaças de retaliação para coagir empresas de redes sociais a permitirem que desinformação e discurso de ódio passassem sem checagens em suas plataformas".

Trump exigiu, sem sucesso, que a Comissão de Comunicações Federais (FCC, na sigla em inglês) limitasse proteções para empresas de mídias sociais sob o Ato de Decência nas Comunicações, de 1996, que protege empresas de responsabilização por conteúdos publicados por seus usuários e permite que elas removam postagens legais, porém condenáveis.

(Reportagem de David Shepardson)