Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,49
    +0,05 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.764,30
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    61.957,45
    +338,63 (+0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.430,53
    -21,11 (-1,45%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.290,25
    -0,25 (-0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3923
    +0,0008 (+0,01%)
     

Biden receberá a terceira dose da vacina contra a covid-19 nesta segunda-feira

·1 minuto de leitura
O presidente Joe Biden discursa sobre planos para conter a disseminação da variante delta da covid-19 na Casa Branca, em 9 de setembro de 2021 (AFP/Brendan SMIALOWSKI)

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, receberá nesta segunda-feira (27) à tarde sua terceira dose da vacina contra a covid-19, anunciou a Casa Branca.

Biden, de 78 anos, receberá "uma vacina de reforço contra a covid-19", de acordo com as diretrizes sanitárias americanas.

O presidente também deve falar sobre o combate à pandemia em um evento às 14h00 (horário de Brasília), segundo o Executivo.

Biden recebeu sua primeira dose da vacina anticovid da farmacêutica Pfizer em 21 de dezembro passado e uma segunda em 11 de janeiro, quando ainda era presidente eleito. Em ambos os casos, tomou a injeção na frente das câmeras de televisão, para incentivar as pessoas a se vacinarem.

As autoridades de Saúde dos Estados Unidos recomendaram a terceira dose da vacina anticovid da Pfizer para três categorias de pessoas: maiores de 65 anos, pessoas de 18 a 64 anos com alguma condição médica subjacente, como diabetes ou obesidade, e aquelas especialmente expostas ao vírus devido ao seu trabalho ou ao lugar onde vivem.

Esta última categoria, que é muito ampla, inclui os professores, funcionários de supermercados, pessoas que trabalham no setor da saúde, presos e moradores de abrigos para pessoas sem teto.

Aproximadamente 60 milhões de pessoas nos Estados Unidos são aptas para uma dose de reforço da vacina da Pfizer, disse Biden na semana passada.

Ele afirmou também que as pessoas que receberam as vacinas das farmacêuticas Moderna ou Johnson & Johnson poderiam recebir injeções de reforço assim que os estudos forem concluídos, e disse que esperava que todos os americanos estejam aptos "em curto prazo".

sms-ad/rsr/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos