Mercado abrirá em 48 mins
  • BOVESPA

    106.373,87
    -553,92 (-0,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.973,27
    +228,35 (+0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,29
    +1,47 (+1,75%)
     
  • OURO

    1.809,40
    -7,10 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    41.912,41
    -865,34 (-2,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,98
    -22,75 (-2,22%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.560,14
    -51,09 (-0,67%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    -105,25 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.257,25
    -76,27 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    15.307,00
    -288,75 (-1,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2878
    -0,0060 (-0,10%)
     

Biden quer mais concorrência na indústria da carne americana

·2 min de leitura
Os preços da carne de qualidade intermediária em um supermercado de Los Angeles em 11 de novembro de 2021 (AFP/MARIO TAMA)

O governo americano revelou nesta segunda-feira (3) um plano para aumentar a concorrência na indústria da carne, dominada por um punhado de grandes empresas (duas delas com capital brasileiro) que, segundo a Casa Branca, se aproveitam para aumentar os preços aos consumidores e reduzir a receita dos criadores.

"Repito o que disse antes. O capitalismo sem concorrência é exploração. É isto o que vemos na carne e nas aves de criação", disse o presidente americano, Joe Biden, ao lançar uma mesa redonda virtual sobre o tema.

"Os pequenos camponeses e criadores independentes se veem obrigados a cessar suas atividades, alguns deles depois de gerações e gerações", frente a gigantes, acrescentou.

Biden atacou, ainda, os "lucros maciços" destas grandes empresas.

Em um comunicado, a Casa Branca considerou o setor um "caso típico" dos estragos da excessiva concentração e lembra que, em matéria de envase e processamento de carne bovina, as quatro maiores empresas dos Estados Unidos controlam 85% do mercado.

Tratam-se de Cargill (Estados Unidos), Tyson (Estados Unidos), JBS (Brasil) e National Beef (filial da brasileira Marfrig).

O governo Biden vai desembolsar um bilhão de dólares para apoiar o desenvolvimento de infraestruturas de processamento e envase de carne "independentes", sobretudo para o abate.

O governo também quer "fortalecer as regras que protegem os agricultores, pecuaristas e consumidores", que considera que foram flexibilizadas durante a presidência de seu antecessor, o republicano Donald Trump.

Por exemplo, a Casa Branca promete revisar as normas para a atribuição da etiqueta "Produto dos Estados Unidos" (Product of USA), que atualmente pode ser usada em carnes que não foi processada exclusivamente em território americano, mas procede de animais criados no exterior.

A Câmara de Comércio dos Estados Unidos criticou o anúncio da Casa Branca.

"Assim como muitos outros produtos, os motivos para o aumento dos preços da carne são maior demanda, problemas na cadeia de abastecimento devido à covid-19 e maiores custos de produção", escreve Neil Bradley, vice-presidente da organização, em um comunicado.

"Está bastante claro que a administração tenta usar a alta dos preços para justificar seu programa, ou seja, reverter décadas de consenso político em torno da concorrência para abrir a via a uma regulação orientada pelo princípio de que o governo saberia mais do que ninguém", lamenta.

Diante de uma inflação elevada, que mina a popularidade de Biden junto à opinião pública, o governo decidiu reforçar a concorrência entre empresas de vários setores. Antes da indústria da carne, já mirou os hidrocarbonetos, criticando as grandes empresas por não baratearem os combustíveis apesar da redução dos preços do petróleo.

aue/dax/erl/elg/lda/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos