Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    54.671,95
    -7.592,44 (-12,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Biden quer comprar outras 100 milhões de doses da vacina Johnson & Johnson

·1 minuto de leitura
A vacina anticovid da Johnson & Johnson teve seu uso aprovado pela FDA

Os Estados Unidos querem comprar outras 100 milhões de doses da vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson, o que dobraria seu pedido feito à empresa farmacêutica, disse um alto funcionário do governo nesta quarta-feira (10).

Joe Biden planeja falar sobre o assunto em uma reunião hoje à tarde com os diretores da Johnson & Johnson e de outro grupo americano, Merck.

Os dois grupos rivais chegaram a um acordo para produzir a vacina da Johnson & Johnson.

"O presidente anunciará que ordena às equipes do HHS [o Departamento de Saúde] que comprem 100 milhões de doses adicionais da vacina da Johnson & Johnson", disse o alto funcionário sob condição de anonimato.

Os Estados Unidos já fizeram muitos pedidos para receber até o final de maio as doses necessárias para vacinar todos os adultos americanos.

A Johnson & Johnson, cuja vacina foi aprovada no final de fevereiro como medida de emergência pelas autoridades de saúde americanas e que precisa de apenas uma injeção, já havia se comprometido a entregar 100 milhões de doses aos Estados Unidos.

O pedido adicional poderia ajudar a compensar os possíveis problemas de produção das outras duas vacinas autorizadas no país, as da aliança Pfizer/BioNTech e Moderna, das quais o governo americano pediu 300 milhões de doses cada uma. Essas duas últimas vacinas exigem duas doses por pessoa.

la/vgr/gma/rsr/aa