Mercado abrirá em 37 mins
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,68
    +0,93 (+1,56%)
     
  • OURO

    1.721,70
    -11,90 (-0,69%)
     
  • BTC-USD

    51.498,21
    +2.628,71 (+5,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.029,13
    +41,04 (+4,15%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.667,92
    +54,17 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.129,00
    +73,75 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8712
    +0,0091 (+0,13%)
     

Biden prevê atrasos nas negociações de ajuda financeira para a pandemia

·2 minuto de leitura
O presidente dos EUA, Joe Biden, em coletiva de imprensa na Casa Branca, 25 de janeiro de 2021

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta segunda-feira (25) que as negociações com os republicanos no Congresso sobre seu plano de ajuda econômica de US$ 1,9 trilhão para enfrentar a pandemia podem demorar mais duas semanas, rejeitando os pedidos de redução nos valores.

"Não espero que saibamos se temos um acordo e até que ponto todo o pacote pode ser aprovado até chegarmos ao fim" das negociações, informou Biden a repórteres na Casa Branca. Isso "provavelmente será em algumas semanas", completou.

Os republicanos no Congresso estão mostrando forte relutância em aceitar o projeto de lei democrata, que visa aumentar o financiamento para vacinas, adicionar 400 dólares aos benefícios semanais de desemprego e emitir aos americanos 1.400 dólares em pagamentos em dinheiro.

O projeto viria na esteira de um pacote de 900 bilhões de dólares aprovado no mês passado.

O governo Biden argumenta que muito mais financiamento ainda é necessário para evitar que a economia, muito fragilizada, despenque ainda mais.

Referindo-se a sugestões de que o governo poderia apresentar o projeto de forma fragmentada, permitindo que os republicanos aprovassem certas partes, Biden disse que estava "relutante em escolher e ter que retirar um ponto ou dois e depois ter que revisá-lo novamente".

Os democratas controlam a Câmara dos Representantes, mas têm apenas uma maioria de um voto no Senado de 100 cadeiras, forçando Biden a angariar o apoio republicano para obter a maioria de 60 votos necessários para aprovar o projeto de lei.

Os democratas têm a opção de usar um procedimento denominado 'reconciliação orçamentária', que lhes permitiria aprovar a medida por maioria simples. Mas Biden, que fez campanha com a promessa de unidade do país, deixou claro que prefere trabalhar pelo apoio de todos nos dois partidos.

"A decisão de recorrer à reconciliação orçamentária vai depender de como forem as negociações", concluiu.

am/mvv