Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,57
    -1,10 (-1,76%)
     
  • OURO

    1.784,00
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    54.841,34
    -1.039,12 (-1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.255,30
    +20,89 (+1,69%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.878,81
    +18,94 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.757,25
    -37,00 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6696
    -0,0329 (-0,49%)
     

Biden mira expansão da energia eólica "offshore" para combater mudança climática

Richard Valdmanis e Nichola Groom
·2 minuto de leitura
Biden fala na Casa Branca

Por Richard Valdmanis e Nichola Groom

(Reuters) - O governo dos Estados Unidos revelou nesta segunda-feira uma meta de expandir a incipiente indústria de energia eólica "offshore" do país ao longo da próxima década, abrindo novas áreas para desenvolvimento, acelerando autorizações e ampliando o financiamento público para os projetos.

O plano é parte de um esforço mais amplo do presidente Joe Biden, que visa eliminar emissões norte-americanas de gases de efeito estufa para combater as mudanças climáticas --uma agenda que republicanos dizem que pode levar a economia às ruínas, mas que democratas defendem que tem capacidade para gerar empregos ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente.

O projeto para a geração de energia eólica por meio de instalações marítimas é divulgado após o governo Biden suspender novos leilões de concessão de terras e águas federais para a exploração de petróleo e gás, o que é amplamente visto como o primeiro passo para que o presidente cumpra a promessa de campanha de banir permanentemente novas perfurações federais para conter o aquecimento global.

Os EUA, que possuem apenas duas pequenas instalações de energia eólica "offshore", ficaram para trás de países europeus no desenvolvimento de tecnologias de energia renovável. O governo do antecessor de Biden, Donald Trump, se comprometeu a lançar a energia eólica "offshore" como uma nova indústria doméstica promissora, mas não concedeu autorização a nenhum projeto.

"Estamos prontos para o rock and roll", disse Gina McCarthy, assessora nacional para o clima, em entrevista coletiva virtual para anunciar as medidas do governo.

O plano estabelece uma meta de implantar 30 gigawatts em energia eólica "offshore" até 2030 --o que, segundo o governo, seria suficiente para abastecer 10 milhões de residências e eliminar 78 milhões de toneladas métricas de dióxido de carbono por ano.

Uma das primeiras medidas será a abertura de uma nova zona de desenvolvimento de energia eólica "offshore" em New York Bight, uma área ao largo da costa entre Long Island, Nova York e Nova Jersey, densamente povoada, por meio de um leilão de arrendamento no final deste ano.

A indústria empregará diretamente 44 mil trabalhadores até 2030 e vai gerar 33 mil empregos adicionais para suporte, disse o governo, com a promessa de que estes serão "empregos bem remunerados e com representação sindical."