Mercado fechará em 4 h 59 min
  • BOVESPA

    98.816,68
    -137,22 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.273,74
    +530,59 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,51
    +2,08 (+1,92%)
     
  • OURO

    1.811,30
    +9,80 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    19.582,98
    +512,93 (+2,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    423,61
    +3,47 (+0,83%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.241,15
    +72,50 (+1,01%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.544,00
    -67,25 (-0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5186
    -0,0401 (-0,72%)
     

Biden e Georgieva rebatem medo de recessão que dá o tom em Davos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O presidente dos EUA Joe Biden e a chefe do Fundo Monetário Internacional Kristalina Georgieva rebateram os temores de recessão após uma semana de preocupações do mercado financeiro com a economia.

“Para alguns países, há agora um risco maior de recessão, mas não prevemos uma recessão global”, disse Georgieva em entrevista a Francine Lacqua da Bloomberg Television no Fórum Econômico Mundial em Davos. Biden respondeu “não” quando perguntado por se tal resultado era inevitável para os EUA.

O tom otimista de dois guardiões da economia global segue uma semana de volatilidade que provocou ruídos de preocupação dos ministros das finanças do G7. O S&P 500 evitou por pouco um fechamento em mercado de baixa na sexta-feira.

“Nosso PIB vai crescer mais rápido que o da China pela primeira vez em 40 anos”, disse Biden após se encontrar com o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida em Tóquio. “Isso significa que não temos problemas? Temos. Temos problemas que o resto do mundo tem. Mas menos grave do que o resto do mundo, por causa de nosso crescimento interno e força.”

Georgieva reconheceu que o FMI projeta um crescimento mais fraco para o mundo do que havia previsto no ano passado e disse que há risco de mais rebaixamentos. Mesmo assim, observou, a previsão de 3,6% do fundo para 2022 corresponde à média da década anterior.

Muitos participantes do fórum no resort suíço de Davos estão menos otimistas. Na primeira reunião presencial desde o início da pandemia, eles veem um conjunto único de novas dificuldades que ameaçam comprimir as economias e prejudicar os padrões de vida.

Fatih Birol, diretor-executivo da Agência Internacional de Energia, disse à Bloomberg Television que existe o risco de uma recessão global se os produtores de petróleo não ajudarem a manter os preços sob controle.

“Esta crise de custo de vida pode levar ao pior conjunto de desafios econômicos e sociais que vimos em quatro ou cinco décadas”, disse David Nabarro, enviado especial para Covid-19 na Organização Mundial da Saúde, disse no lançamento do Edelman Trust Barometer em Davos.

O ministro da economia da Alemanha, Robert Habeck, disse que a guerra na Ucrânia mostra como o presidente russo Vladimir Putin está usando a fome como arma, enquanto Davide Serra, CEO da Algebris Investments, descreveu o clima em Davos como “triste” por causa do conflito.

“A três horas daqui, as pessoas estão morrendo e atirando umas nas outras”, disse ele à Bloomberg Television. “E então eu acho que é por isso que é diferente.”

Serra também previu que as ações dos EUA terão que cair ainda mais porque as expectativas de lucros ainda são muito altas.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos