Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    51.002,38
    +3.325,94 (+6,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Biden começa a reverter barreiras imigratórias de Trump em primeiras horas na Casa Branca

Ted Hesson e Mimi Dwyer e Mica Rosenberg e Kristina Cooke
·2 minuto de leitura
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na Casa Branca

Por Ted Hesson e Mimi Dwyer e Mica Rosenberg e Kristina Cooke

WASHINGTON (Reuters) - Poucas horas após tomar posse como presidente dos Estados Unidos nesta quarta-feira, Joe Biden enviou ao Congresso uma projeto de lei de imigração que abre caminho para a cidadania de imigrantes vivendo ilegalmente no país, em um forte contraste com as políticas do ex-presidente Donald Trump.

Biden também assinou diversos decretos nesta quarta-feira, pelo menos seis relacionadas à imigração, tornando o assunto o principal foco do primeiro dia do presidente democrata no poder.

Os decretos incluem suspender imediatamente a proibição de entrada de pessoas de uma dúzia de nações, no geral países majoritariamente muçulmanos ou africanos, interromper a construção de um muro na fronteira com o México e reverter a ordem de Trump para impedir que imigrantes ilegais sejam contados na próxima redefinição dos distritos eleitorais para o Congresso dos EUA.

Biden também assinou um memorando direcionando o Departamento de Segurança Nacional e o procurador-geral dos EUA a preservar o programa Daca, que protege de deportação imigrantes que chegaram ao país como crianças, e reverter a ordem executiva de Trump que pede fiscalização interna mais rígida à imigração.

Juntas, as ações mostram que Biden está começando seu mandato com um forte foco na imigração, assim como Trump colocou o assunto no centro da sua agenda política até os últimos dias do seu governo. Em uma das poucas aparições públicas após a eleição, Trump visitou uma parte do muro na fronteira com o México, no começo do mês.

A decisão de Biden de imediatamente recuar na proibição de viagens imposta por Trump, que motivou amplos protestos quando foi assinada e foi considerada discriminatória, ganhou elogios de grupos empresariais e defensores da causa da imigração.

(Reportagem adicional de Dan Trotta)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF