Mercado abrirá em 7 h 28 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,46
    -0,50 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.774,00
    +3,50 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    63.927,04
    +1.133,92 (+1,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,25
    +16,89 (+1,15%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    26.125,96
    +338,75 (+1,31%)
     
  • NIKKEI

    29.313,86
    +98,34 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.382,00
    -16,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5162
    +0,0200 (+0,31%)
     

Biden busca resolver impasse com maior prazo para aprovar agenda

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e líderes democratas voltam a unir forças nesta semana para salvar dois pilares da agenda econômica do governo, depois que um impasse entre duas alas partido impediu a aprovação de um projeto de infraestrutura e ameaça se arrastar por semanas.

A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, ajustou o relógio no sábado e deu prazo até o Halloween, em 31 de outubro, para que os parlamentares cheguem a um acordo tanto sobre o projeto de infraestrutura bipartidário de US$ 550 bilhões quanto sobre um pacote mais amplo de gastos sociais, saúde e medidas fiscais que precisam aprovar apenas com votos democratas.

O fim de semana ofereceu sinais contraditórios, como o adiamento anunciado por Pelosi e uma forte crítica aos democratas da Câmara por parte da senadora da ala moderada Kyrsten Sinema, que é contra o projeto de lei mais amplo. Mas também houve sinais de avanço: alguns membros do Congresso sugeriram que o chamado pacote de reconciliação poderia ser autorizado por um tempo limitado para reduzir o preço.

Com as questões sobre o destino da agenda de Biden em foco, os EUA caminham em direção a um default se o limite da dívida não for aumentado ou suspenso até meados de outubro.

Biden viaja para Michigan na terça-feira para defender a aprovação de seus dois pacotes, acenando para um polo da manufatura dos EUA e um símbolo da ascensão e declínio da classe média americana. Biden planeja visitar o distrito de Elissa Slotkin, uma deputada-chave entre os moderados da Câmara.

O Congresso ganhou tempo aprovando um acordo para evitar a paralisação do governo até pelo menos dezembro.

A pressão da semana passada para negociar um acordo não será vista nesta semana com o mesmo fervor. Em vez disso, Biden continuará pressionando pela aprovação de ambos os projetos e repetirá em seu discurso em Michigan muitos dos temas que levantou ao falar aos democratas na Câmara na sexta-feira.

Democratas moderados dizem que votarão a favor do pacote de infraestrutura como um projeto independente, mas progressistas insistem que este deve ser combinado com um ambicioso plano de gastos sociais - incluindo creche, faculdade comunitária gratuita, licença familiar paga, uma expansão do Medicaid e amplos dispositivos sobre a mudança climática.

Esse projeto precisaria passar pelo processo de reconciliação orçamentária para ser aprovado no Senado por maioria simples de votos, permitindo à vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, desempatar se todos os 50 senadores democratas votarem a favor.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos