Mercado fechará em 5 h 34 min
  • BOVESPA

    109.231,77
    +117,62 (+0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.096,21
    +287,65 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,84
    +2,13 (+2,78%)
     
  • OURO

    1.642,80
    +9,40 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    20.175,23
    +947,82 (+4,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    461,40
    +2,26 (+0,49%)
     
  • S&P500

    3.692,69
    +37,65 (+1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.498,85
    +238,04 (+0,81%)
     
  • FTSE

    7.013,17
    -7,78 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.442,25
    +126,00 (+1,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1568
    -0,0226 (-0,44%)
     

Biden busca evitar greve no transporte ferroviário de cargas

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e representantes do Executivo entraram em contato com sindicatos e empresas de transporte ferroviário nesta segunda-feira, para evitar que as negociações salariais em andamento resultem em uma greve, segundo um funcionário da Casa Branca.

"O bloqueio do nosso sistema ferroviário de carga seria algo inaceitável para a nossa economia", enfatizou o Departamento do Trabalho. Doze sindicatos e empregadores têm até o próximo dia 16 para fechar um novo acordo coletivo.

Uma greve poderia interromper o transporte de cargas, mas também o de passageiros. Algumas empresas já anunciaram medidas para gerenciar o transporte de materiais perigosos ou sensíveis.

A empresa de trens de passageiros Amtrak disse que está cancelando, por precaução, os trens que utilizam três linhas de longa distância a partir desta terça-feira.

A situação é delicada para Biden: o presidente americano, um grande defensor do transporte ferroviário, não perde a oportunidade de reafirmar seu apoio aos sindicatos, mas tambem deve evitar qualquer deslize social e econômico antes das eleições legislativas de novembro.

bur-aue/seb/ad/mr/lb