Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.782,70
    +4,30 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    55.230,73
    +702,73 (+1,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.265,90
    +31,49 (+2,55%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.646,04
    -489,69 (-1,68%)
     
  • NIKKEI

    28.463,44
    -636,94 (-2,19%)
     
  • NASDAQ

    13.735,25
    -59,00 (-0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6877
    -0,0148 (-0,22%)
     

BID prevê difícil recuperação econômica na América Latina após pandemia

·3 minuto de leitura
Foto de arquivo de 13 de novembro de 2014 de uma usina eólica em Calama, Chile

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) previu neste sábado(20) uma difícil recuperação para a economia da América Latina e do Caribe devido ao desastre causado pela pandemia e anunciou que exigirá novos recursos para enfrentar a emergência.

“A região sairá da crise com maior endividamento, mais pobreza e aumento da desigualdade de renda”, disse em relatório o organismo multilateral, que se reúne na Colômbia desde quarta-feira para sua assembleia anual.

O "choque" gerado pelo desemprego em massa aumentará a pobreza extrema, que saltará de 12,1% para 14,6%, alerta o BID, e os países dependentes do turismo e da exportação de matérias-primas estarão particularmente expostos ao perigo.

Mas o futuro da região dependerá em grande parte das reformas empreendidas pelos governos para aliviar a emergência, alerta a organização.

Com apenas 8% da população mundial, a América Latina e o Caribe são responsáveis por cerca de 25% de todas as mortes por coronavírus (733.000).

Após a queda histórica de 7,4% no Produto Interno Bruto regional registrada no ano passado, o BID projeta um crescimento da economia de 4,1% para 2021, seguido de 2,5% nos anos seguintes.

Esta previsão vai depender “da capacidade de vacinação” dos países e do fato de não serem impostas novas restrições que “tenham um impacto adicional na atividade econômica”, afirma o relatório.

Caso contrário, um cenário negativo - baseado no menor crescimento econômico nos Estados Unidos e na Europa, novos surtos de vírus e uma implementação lenta da imunização - "desaceleraria o crescimento para apenas 0,8% em 2021", - 1,1% em 2022 e 1,8% em 2023 , disse o organismo.

Para evitar o cenário catastrófico, o BID instou os países a empreenderem reformas fiscais urgentes e medidas para melhorar a produtividade, impulsionar as cadeias de valor regionais, promover a economia digital e a criação de empregos, sem sacrificar o objetivo de desacelerar as mudanças climáticas que particularmente ameaçam a região.

- Mais recursos -

Em seu esforço para promover a recuperação, o BID vai precisar de novos recursos, disse Mauricio Claver-Carone, presidente da entidade, durante reunião dos governadores do banco na cidade de Barranquilla neste sábado.

Desde o início da emergência sanitária, o BID "mobilizou mais de 24 bilhões de dólares" em financiamentos para governos e empresas da região, "incluindo US $ 1 bilhão (...) para financiar a compra de vacinas", afirmou.

Mas, para manter um nível comparável de apoio no futuro, "os recursos atuais simplesmente não são suficientes". É preciso “considerar uma recapitalização” para que se possa cumprir seu papel na recuperação da região, acrescentou.

Sem especificar o valor necessário, Claver-Carone indicou que as necessidades de financiamento externo dos governos do continente chegarão a 110 bilhões de dólares anuais na próxima década.

Presente no evento que recebe de forma semivirtual os 48 países membros da organização, o presidente da Colômbia, Iván Duque, apoiou a proposta.

“Se o BID não se capitalizar nos próximos anos, começará a perder relevância no momento em que a América Latina precisa de sua capacidade de crédito”, disse o presidente conservador.

A Colômbia foi um dos países que mais apoiou a polêmica candidatura de Claver-Carone, advogado americano de origem cubana promovido pelo ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a um cargo historicamente reservado aos latino-americanos.

Carone defende desde sua nomeação um "sonho pan-americano" que consiste em devolver indústrias e redes de abastecimento às Américas para conter a influência crescente da China na região.

Barranquilla sediará o evento até domingo, inicialmente previsto para março de 2020, mas que foi adiado duas vezes devido à pandemia.

dl/lv/rs/jc