Mercado fechará em 5 h 56 min
  • BOVESPA

    112.273,23
    -1.539,64 (-1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.441,52
    -288,28 (-0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,34
    -0,16 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.767,10
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    21.428,66
    -2.027,97 (-8,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    508,03
    -33,57 (-6,20%)
     
  • S&P500

    4.240,81
    -42,93 (-1,00%)
     
  • DOW JONES

    33.771,09
    -227,95 (-0,67%)
     
  • FTSE

    7.557,86
    +16,01 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.315,25
    -208,00 (-1,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2200
    +0,0062 (+0,12%)
     

BID diz que não pode aprovar pedido da Argentina se não houver melhora nas condições macroeconômicas

Reunião organizada pelo BID no Panamá

WASHINGTON (Reuters) - O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) não pode aprovar novos fundos para a Argentina se o país não cumprir com os compromissos de melhorar suas condições macroeconômicas, disse o presidente do banco nesta segunda-feira.

Em carta ao editor publicada pelo Wall Street Journal, Mauricio Claver-Carone afirmou que o banco tem o “dever de ajudar membros como a Argentina”, mas também está “ansioso para que a Argentina cumpra seus compromissos com o FMI (Fundo Monetário Internacional) para melhorar as condições macroeconômicas”.

Claver-Carone disse que a Argentina está solicitando a aprovação de um novo empréstimo incondicional de 500 milhões de dólares, enquanto o banco já desembolsou 2,5 bilhões de dólares desde o final de 2020 para projetos de saúde, água potável e infraestrutura.

"Por mais que o BID queira aprovar novos fundos para a Argentina, não pode aprová-los sem assegurar prudentemente que tenha impacto no desenvolvimento", acrescentou.

A Argentina, que enfrenta um cenário macroeconômico desafiador, com inflação em alta e moeda em mínimas históricas em relação ao dólar, já tem um programa de 44 bilhões de dólares acordado com o FMI.

“Os compromissos, muito mais modestos do que os exigidos de outros países, são fundamentais para promover um crescimento sustentável e garantir que o BID possa oferecer novos financiamentos à Argentina”, acrescentou Claver-Carone.

Os comentários do BID vieram antes de uma reunião de autoridades do FMI com a nova ministra da Economia da Argentina, Silvina Batakis, que assumiu o cargo há menos de um mês depois que seu antecessor renunciou abruptamente.

(Reportagem de Carolina Pulice)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos