Mercado abrirá em 4 h 59 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,77
    +0,57 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.766,20
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    16.868,16
    +404,94 (+2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,66
    +11,93 (+3,07%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.270,80
    +66,12 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.530,25
    +5,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4627
    +0,0061 (+0,11%)
     

BID define presidente entre cinco candidatos da América Latina e do Caribe

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) define no domingo um novo presidente, entre candidatos do Brasil, México, Argentina, Chile e Trinidad e Tobago, um nome para comandar a instituição em um contexto mundial sombrio.

A assembleia de governadores, principal autoridade do banco e integrada por ministros da Fazenda e outras autoridades econômica, se reunirá a partir da 8h00 em Washington (10h00 em Brasília) a portas fechadas para uma sessão híbrida que exige quórum.

O candidato brasileiro é Ilan Goldfajn, diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) para a América Latina e que foi presidente do Banco Central no governo de Michel Temer.

O renomado economista, que também atuou na inciativa privada, concorre com o mexicano Gerardo Esquivel, vice-presidente do Banco Central de seu país; o chileno Nicolás Eyzaguirre, ex-ministro da Fazenda e Educação; Cecilia Todesca Bocco, argentina, secretária de Relações Econômicas Internacionais e Gerard Johnson, de Trinidad e Tobago, ex-funcionário do BID.

Goldfajn quer tornar o BID a "instituição multilateral mais importante da região" e considera fundamental que o presidente seja "independente, apartidário".

Ele foi indicado pelo presidente em final de mandato Jair Bolsonaro e ainda não se sabe a opinião do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva, embora ele diga que o apoia.

Para ser eleito, o candidato deve ter o apoio de pelo menos 15 dos 28 Estados americanos (26 da América Latina e Caribe junto com Canadá e Estados Unidos) e maioria absoluta dos votos dos 48 países membros.

O poder de voto de cada país varia em função do número de ações. Os três principais acionistas do banco são Estados Unidos, Argentina e Brasil, que juntos detêm quase 53%, seguidos pelo México com 7,2%.

Washington tem 30%, o que faz do governo Joe Biden uma das peças-chave da eleição, como aconteceu na destituição do último presidente do banco, o americano Mauricio Claver-Carone, por burlar as regras ao favorecer uma funcionária com quem mantinha um relacionamento romântico.

Os cinco candidatos concordam com a importância de direcionar os recursos para o combate à pobreza, à desigualdade e às consequências da mudança climática, mas considerando que a região é heterogênea e as necessidades dos países de renda média diferem muito das de outros com menos acesso aos mercados financeiros internacionais.

- Liderança -

A instituição criada em 1959 também deve otimizar os recursos que já possui antes de aumentar o capital e recuperar a liderança, porque tempos difíceis se aproximam e não se sabe por quanto tempo, com uma inflação crescente impulsionada pela guerra na Ucrânia, o aumento das taxas de juros e uma desaceleração econômica global que ameaça minar a recuperação pós-pandemia.

Apesar dos ventos contrários, o próximo presidente encontrará uma região com "enormes oportunidades nas áreas de transformação digital, desenvolvimento inclusivo, sustentabilidade e muito mais", disse na sexta-feira Jason Marczak, diretor do Centro Adrienne Arsht para América Latina, do Atlantic Council.

erl/dga/jc