Mercado abrirá em 36 mins
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,62
    +3,47 (+5,09%)
     
  • OURO

    1.795,90
    +7,80 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    57.246,49
    +2.579,91 (+4,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.429,66
    -25,75 (-1,77%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.125,67
    +81,64 (+1,16%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.214,75
    +163,75 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3313
    -0,0172 (-0,27%)
     

Bem-vindo à frugalidade na era da abundância e do exponencial

·2 min de leitura

Muito se falou dos aprendizados advindos do período mais agudo de pandemia, quando o isolamento e afastamento social eram a regra geral, e que se mostraram fundamentais para reduzir o ritmo de contaminação. Mas hoje, já entrando num modelo mais aberto do modus vivendi, tenho dúvidas quanto à adoção desses aprendizados, como a empatia, por exemplo, tão falada, mas pouquíssimo executada.

Do meu lado, contudo, além da reflexão que veio de maneira inevitável sobre essa condição coletiva da nossa existência, o que mais me marcou e que, espero, vai continuar marcando, é a questão da frugalidade.

Refletir sobre o que de fato precisamos, o que é necessário, imprescindível, me remeteu aos preceitos, que aprendi a admirar, do instituto Akatu e sua luta incansável pelo consumo consciente.

Sei que não é exatamente a mesma coisa, mas trazem na essência o que de alguma forma vem se perdendo em muitos momentos da nossa existência: o olhar para o coletivo, para o outro, para o mundo.

Em tempos de COP 26 e uma conversa aberta sobre os destinos do nosso planeta, a pergunta que deveríamos fazer a nós mesmos é: preciso de tudo isso que está dentro do meu armário?

Recentemente compareci a uma reunião de trabalho, seguindo todos os protocolos, e ao abrir meu armário olhei para roupas que, além de mofadas pelo longo tempo sem uso, já não faziam sentido pela quantidade – dentro desta lógica, reforçada na pandemia, de ser mais frugal.

Quando ouço a ideia da abundância preconizada no universo de inovação, mesmo sabendo que tem outro campo de atuação, buscando abundância de recursos e possibilidades para todos, ainda assim me assusto.

Ser mais frugal me traz como benefício adicional um meio mais simples e fácil de lidar com o cotidiano, com menos combinações e complexidade.

Não é tentar esquecer que a vida cotidiana é complexa. Mas entender e buscar levar adiante também a possibilidade de ser mais simples em alguns momentos e situações.

O que isso traz de mudança?

Para mim? Tranquilidade.

Para o mundo à minha volta? Uma fração mínima, mas existente, de melhoria, de redução de gastos e consumo além do necessário.

Como diz a história do beija-flor questionado ao tentar apagar o incêndio na floresta com a água que levava no seu bico: “estou fazendo a minha parte.”

Este texto é de responsabilidade de seu autor e não reflete, necessariamente, a opinião da Fast Company Brasil

O post Bem-vindo à frugalidade na era da abundância e do exponencial apareceu primeiro em Fast Company Brasil | O Futuro dos Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos