Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.049,54
    +99,25 (+0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Beber álcool durante a gravidez modifica a estrutura do cérebro do bebê

A ingestão de álcool durante a gestação, mesmo em pequenas quantidades, não é recomendada, segundo cientistas austríacos. Isso porque as bebidas alcoólicas afetam e modificam a estrutura do cérebro do bebê em desenvolvimento, independente da quantidade ou frequência. No momento, ainda não se sabe se as alterações são reversíveis ou permanentes.

Liderado por pesquisadores da Universidade de Medicina de Viena, na Áustria, um recente estudo demonstrou o impacto de beber álcool durante a gestação no cérebro do feto, a partir de uma série de ressonâncias magnéticas. Além de modificar a estrutura cerebral, o hábito atrasa o desenvolvimento do órgão.

O estudo completo sobre o cérebro dos bebês deve ser apresentado, pela primeira vez, no encontro anual da Sociedade Radiológica da América do Norte (Rsna), que ocorre na próxima semana. Em seguida, a pesquisa deve passar por revisão por pares e ser publicada em uma revista científica.

Estudo: síndrome do alcoolismo fetal

Quando a mãe consome álcool durante a gravidez, o feto pode desenvolver a síndrome alcoólica fetal. Anteriormente, outros estudos apontaram que esta condição aumenta a probabilidade da criança enfrentar dificuldades de aprendizagem, problemas comportamentais ou atrasos na fala e na linguagem.

Apesar disso, pouco se entende como o cérebro de bebê é, de fato, afetado em suas estruturas. Para avaliar essas modificações, os cientistas austríacos analisaram exames de ressonância magnética de 24 fetos com exposição ao álcool. No momento dos exames de ressonância magnética, eles estavam com 22 a 36 semanas de gestação. As mães responderam um questionário sobre o consumo etílico. Os resultados foram comparados com os de um grupo controle (sem exposição ao álcool).

Na primeira imagem (esquerda), é possível observar o cérebro de um bebê exposto ao álcool. Na imagem ao lado (direta), está o cérebro de um feto saudável, que está mais desenvolvido e com cavidades mais organizadas (Imagem: Reprodução/RSNA e Patric Kienast, MD)
Na primeira imagem (esquerda), é possível observar o cérebro de um bebê exposto ao álcool. Na imagem ao lado (direta), está o cérebro de um feto saudável, que está mais desenvolvido e com cavidades mais organizadas (Imagem: Reprodução/RSNA e Patric Kienast, MD)

Vale explicar que “a ressonância magnética fetal é um método de exame altamente especializado e seguro", aponta Gregor Kasprian, um dos autores do estudo, em comunicado. Por causa disso, é possível "fazer declarações precisas sobre a maturação cerebral no pré-natal”, acrescenta.

Qualquer quantidade de álcool altera o desenvolvimento do cérebro do feto?

Fato pouco esperado no estudo é que as modificações no cérebro dos bebês eram observadas independente da quantidade de álcool ingerida pela gestante. O que mudava é o nível de impacto do hábito, mas não há aparentemente um nível seguro de consumo.

Por exemplo, 17 das 24 mães da pesquisa bebiam álcool raramente, com consumo médio de álcool de menos de uma bebida alcoólica por semana. Apesar disso, "fomos capazes de detectar mudanças significativas nesses fetos, com base na ressonância magnética pré-natal”, afirma Patric Kienast, que também é um dos autores do estudo.

Para grávidas, não há dose segura de ingestão de álcool (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)
Para grávidas, não há dose segura de ingestão de álcool (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

Cérebro do bebê pode se recuperar mais tarde?

Por enquanto, os pesquisadores ainda não sabem como as mudanças estruturais afetarão o desenvolvimento do cérebro desses bebês após o nascimento. “Para avaliar isso com precisão, precisamos esperar que as crianças examinadas como fetos naquela época fiquem um pouco mais velhas", explica Kienast.

“No entanto, podemos presumir que as mudanças que descobrimos contribuem para o desenvolvimento de dificuldades cognitivas e comportamentais que podem ocorrer durante a infância” acrescenta o pesquisador Kienast sobre o impacto já conhecido da síndrome alcoólica fetal.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: