Mercado abrirá em 3 h 26 min
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,71
    -3,38 (-3,67%)
     
  • OURO

    1.797,70
    -17,80 (-0,98%)
     
  • BTC-USD

    24.031,25
    -690,58 (-2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    570,50
    -0,78 (-0,14%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.508,72
    +7,83 (+0,10%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    +324,80 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.510,25
    -67,50 (-0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1906
    -0,0129 (-0,25%)
     

Beber água ativa o mesmo mecanismo de prazer despertado pelo sexo

Beber água pode estimular o mesmo mecanismo de prazer que o cérebro ativa durante o sexo. As informações vêm de um estudo publicado na revista científica Nature, no último dia 13. A prática libera dopamina, um dos nossos neurotransmissores.

Em entrevista anterior ao Canaltech, o Dr. Fabio Porto, neurologista comportamental do Hospital das Clínicas de São Paulo, explicou que a dopamina é produzida numa região chamada substância negra, que fica no tronco cerebral, mais especificamente no mesencéfalo (uma estrutura responsável por algumas funções como a visão, audição, movimento dos olhos e movimento do corpo).

O neurologista ainda apontou, na ocasião, que a dopamina está relacionada diretamente com a questão motora e com o processamento de recompensa. "A falta de dopamina muitas vezes causa apatia, a pessoa não consegue sentir prazer, ou em situações de muito estímulo dopaminérgico, a pessoa fica viciada, tem dificuldade de controlar impulsos", declarou o especialista.

Com isso, o estudo recente descobriu que o cérebro libera dopamina em resposta à hidratação. Para chegar à descoberta, os pesquisadores deixaram camundongos com sede e usaram uma tecnologia para monitorar as ondas que vinham da área tegmental ventral (VTA) no cérebro, um meio de medir quanta dopamina está sendo produzida.

Logo, o artigo descreve que os níveis de produção de dopamina aumentaram assim que os camundongos começaram a beber água, e cerca de dez minutos depois da ingestão do líquido, os níveis de dopamina aumentaram novamente.

Beber água ativa dopamina, o mesmo mecanismo de prazer despertado pelo sexo (Imagem: cookelma/envato)
Beber água ativa dopamina, o mesmo mecanismo de prazer despertado pelo sexo (Imagem: cookelma/envato)

Depois disso, os pesquisadores testaram o mesmo experimento, dessa vez com água salgada, o que levou a um aumento na dopamina consideravelmente menor. A teoria por trás desse efeito é que o sal tem potencial desidratante.

Na ocasião, os cientistas ainda colocaram os camundongos diante de recipientes de cores diferentes. De acordo com a cor escolhida, inseriam (ou não) uma quantidade de sal no intestino dos animais. Com o tempo, os camundongos preferiam beber água que não estava associada a uma injeção de sal. Isso tudo para afirmar que a produção de dopamina ajuda a aprender qual líquido beber.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos