Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.433,25
    +96,08 (+0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Bebedores de cerveja da AL devem reduzir pressão inflacionária

(Bloomberg) -- A gigante de bebidas latino-americana Cervecerias Unidas vê os primeiros sinais de destruição da demanda em meio à inflação mais alta desde a década de 90.

A CCU - como é conhecida a maior cervejaria do Chile e uma importante fornecedora de bebidas na região - estima que, embora o consumo tenha se mantido razoavelmente bem até agora, provavelmente será moderado nos próximos meses.

“Espero que no segundo semestre deste ano o consumo seja um pouco mais restrito”, disse Antonio Cruz, chefe de novos negócios e planejamento estratégico, em entrevista em Santiago.

As repercussões das interrupções na cadeia de suprimentos causadas pela pandemia e pela guerra na Ucrânia atingem produtores e consumidores em todo o mundo. A CCU não é exceção, com os custos subindo “fortemente” este ano, disse Cruz. A inflação chilena é estimado em 9% este ano, com o crescimento desacelerando de 12% para 2,1%.

Até agora, as margens da empresa se mantiveram à medida que se esforça para compensar os custos crescentes de tudo, desde grãos a alumínio e vidro, com maior eficiência. Ela conseguiu obter todos os insumos de que precisa, embora a preços elevados, disse Cruz.

A onda de inflação não diminuiu o apetite do CCU por crescimento. A empresa controlada pela família mais rica do Chile busca construir sua presença na Argentina, Bolívia, Colômbia, Paraguai e Uruguai, embora tenha encontrado práticas restritivas em alguns mercados, disse ele.

Autoridades antitruste na Colômbia e no Uruguai emitiram recentemente resoluções contra a cervejaria nº 1 do mundo, a Anheuser-Busch InBev, por suposto abuso de posição dominante em resposta a reclamações da CCU. Nos últimos anos, as duas cervejarias estiveram envolvidas em uma batalha legal na Argentina e no Uruguai.

As atividades da InBev foram consideradas lícitas pelo Tribunal Superior colombiano, disse o grupo com sede em Leuven, na Bélgica, acrescentando que sua unidade Bavaria pretende continuar a cooperar com as autoridades.

“Queremos competir em igualdade de condições e é isso que essas práticas excludentes não nos permitem fazer nesses outros países”, disse Cruz. “Nós olhamos para a questão com uma visão de longo prazo. Acreditamos que existem oportunidades. Esses tipos de obstáculos nos travam a curto prazo, mas queremos continuar procurando.”

O objetivo da CCU é crescer mais rápido no exterior do que no Chile.

“Estamos sempre em busca de oportunidades no exterior, mas nossa estratégia é mais continuar consolidando nossa posição nos países onde já estamos”, disse Cruz.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos