Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.249,77
    -239,83 (-1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Bebês reagem de forma diferente aos sabores no ventre materno, aponta estudo

Os bebês reagem de forma diferente aos sabores e odores no ventre de sua mãe, concluíram cientistas pela primeira vez, após analisarem as expressões faciais de fetos.

No estudo, realizado por pesquisadores da universidade britânica de Durham e da francesa de Borgonha, publicado nesta quinta-feira na revista "Psychological Science", foram realizados ultrassons 4D em 100 mulheres de 18 a 40 anos e gestantes de 32 a 36 semanas. As imagens permitiram observar como os futuros bebês reagem quando as mães comem determinados alimentos.

Diante da cenoura, os fetos exibiram um rosto sorridente, enquanto aqueles cuja mãe havia comido couve tinham cara de choro, afirmaram os cientistas.

"Estudos haviam sugerido que os bebês podiam sentir gostos e cheiros no útero, mas eles foram baseados em resultados após o nascimento. Nosso estudo é o primeiro a se concentrar nessas reações antes do parto", ressaltou Beyza Ustun, pesquisadora da Universidade de Durham e autora principal.

O ser humano percebe os sabores combinando gosto e cheiro. Nos fetos, os pesquisadores acreditam que isso possa acontecer por meio da inalação e ingestão do líquido amniótico no útero.

"Ao observar as reações faciais dos fetos, podemos supor que uma série de estímulos químicos passam pela dieta da mãe para o ambiente fetal", indicou o professor Benoist Schaal, do Centro Nacional de Pesquisa Científica da Universidade de Borgonha, coautor do estudo. "Isso poderia ter um papel muito importante em nossa compreensão do desenvolvimento de nossos receptores olfativos e gustativos, bem como da percepção e memória às quais estão vinculados."

Segundo os pesquisadores, esses resultados poderiam contribuir para informar as mães sobre a importância de uma alimentação saudável durante a gestação. Os autores do estudo também começaram a analisar se a dieta das gestantes poderia ter impacto nas preferências do bebê após o nascimento.

jma/gmo/mr/es/mb/lb