Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,09 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.770,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    56.101,35
    -27,84 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.273,66
    -25,30 (-1,95%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.900,25
    +3,00 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6760
    -0,0101 (-0,15%)
     

Bebê nasce com anticorpos contra a COVID-19 após mãe ser vacinada ainda grávida

Natalie Rosa
·1 minuto de leitura

Acaba de ser registrado, nos Estados Unidos, o primeiro caso de um bebê que já nasceu com os anticorpos contra o coronavírus. A mãe, residente no estado da Flórida, trabalha como profissional de saúde e recebeu a primeira dose da vacina da Moderna contra a COVID-19 enquanto ainda estava grávida de 36 semanas.

Ao analisar o sangue obtido através do cordão umbilical, assim que ocorreu o parto, foi detectada a presença de anticorpos contra o SARS-CoV-2. A coleta foi feita exatamente para verificar se a mãe havia passado os anticorpos para o bebê, o que já havia acontecido com outros tipos de vacina. De acordo com os médicos envolvidos no caso, o bebê, uma menina, nasceu três semanas após a aplicação da dose da Moderna, em condição saudável.

<em>Imagem: Carlo Navarro/Unsplash</em>
Imagem: Carlo Navarro/Unsplash

Paul Gilbert, um dos médicos, fez uma declaração à imprensa sobre a descoberta. "Essa foi a primeira vez no mundo em que foi relatado o caso de um bebê ter nascido com anticorpos após a vacinação. Testamos o cordão umbilical do bebê para verificar se os anticorpos da mãe foram passados a ele, o que é algo que vemos acontecer com outros tipos de vacina que são aplicadas durante a gravidez", explica.

A descoberta foi publicada em um estudo que, segundo os autores, ainda precisa passar por mais verificações. Será preciso descobrir, por exemplo, por quanto tempo deve durar essa proteção no organismo de um recém-nascido e qual é o nível dessa imunidade. Os cientistas acreditam que este será apenas um dos vários casos de bebês que ainda devem nascer, de certa forma, imunes à doença.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: