Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.786,40
    +1.334,31 (+4,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,20
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

BCE vai discutir nova orientação após mudança em meta de inflação, diz vice-presidente

·1 minuto de leitura
Vice-presidente do BCE, Luis de Guindos

LONDRES/FRANKURT (Reuters) - As autoridades do Banco Central Europeu vão discutir em reunião na semana que vem mudança da orientação futura que dão sobre a direção da política monetária, após a mudança do BCE para uma meta de inflação mais simétrica de 2%.

"Na semana que vem discutiremos uma nova orientação futura que inclua a nova definição de estabilidade de preços", disse o vice-presidente do BCE, Luis de Guindos, nesta segunda-feira, em um evento organizado pelo instituto de pesquisa OMFIF, com sede em Londres.

"A formulação da orientação futura deve ser modificada para incluir a nova definição de estabilidade de preços."

A tão aguardada revisão de estratégia do BCE, anunciada na semana passada, incluiu ajuste da meta de inflação da autoridade monetária para 2% no médio prazo, ante objetivo anterior "abaixo, mas perto de 2%".

A orientação atual do BCE diz que o banco injetará estímulos por meio da compra de títulos pelo tempo que for necessário e manterá as taxas de juros em suas mínimas recordes atuais, abaixo de zero, até que veja a perspectiva de inflação "convergir de forma robusta" para sua meta.

De Guindos disse que embora a economia dos 19 países da zona do euro esteja atualmente em modo de recuperação, a situação permanece "frágil" devido à pandemia de coronavírus, acrescentando que alguns membros, como a Espanha, não estão indo tão bem quanto a Alemanha.

"Precisamos manter condições de financiamento favoráveis", disse o ex-ministro da Economia espanhol. "A retirada dos estímulos fiscais e monetários tem que ser muito prudente, muito gradual e não deve ser prematura."

(Por Marc Jones e Francesco Canepa)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos