Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,11
    +1,71 (+1,52%)
     
  • OURO

    1.815,10
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    30.604,16
    +589,87 (+1,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    689,06
    +446,38 (+183,94%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    27.033,19
    +373,44 (+1,40%)
     
  • NASDAQ

    12.566,50
    +6,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2169
    +0,0065 (+0,12%)
     

BCE vê sequência de movimentos para elevar os juros a território positivo, diz Lane

Philip Lane, economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE)

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu está se preparando para uma seqüência de aumentos dos juros que colocará sua taxa de referência em território positivo, mas o caminho percorrido é mais importante do que a data exata do primeiro movimento, disse nesta quinta-feira o economista-chefe do BCE, Philip Lane.

Com a inflação subindo a um nível recorde de 7,5% no mês passado, os formuladores de política monetária têm defendido uma saída mais rápida do estímulo e vários, incluindo a membro do Conselho Isabel Schnabel, defenderam um movimento já em julho.

"Acho que está claro que em algum momento vamos mexer nos juros, não apenas uma vez, mas com o tempo, em uma seqüência", disse Lane ao instituto Bruegel. "Quando exatamente isso vai começar?... Não deve ser visto como a questão mais importante."

Lane argumentou que a trajetória de normalização da política monetária é mais relevante, assim como a definição da taxa neutra, nível em que o banco nem estimula nem atrasa a economia.

"(Taxa de depósito) de -0,5% não está de acordo com a meta de 2% de inflação", disse Lane. "Se acreditamos que a inflação ficará estável em torno de 2%, -0,5% não é consistente, zero não é consistente". Sabemos que a normalização será mais do que isso."

Mas ele também defendeu movimentos graduais, especialmente porque o crescimento dos salários, uma condição necessária para uma inflação duradoura, ainda é relativamente fraco, apontando para uma inflação que se estabiliza em torno da meta de 2% do BCE, em vez de superá-la.

(Reportagem de Francesco Canepa e Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos