Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.333,23
    +577,56 (+1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

BCE vê riscos à perspectiva econômica com nova onda da pandemia

·1 minuto de leitura
Logotipo do Banco Central Europeu (BCE) em Frankfurt, Alemanha

FRANKFURT (Reuters) - Uma nova onda da pandemia de coronavírus pode representar um risco à recuperação econômica da zona do euro, disse a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, nesta quinta-feira, depois que o banco sugeriu um período ainda mais longo de apoio monetário.

A variante Delta, uma cepa mais contagiosa do coronavírus, está se tornando dominante na Europa, causando um ressurgimento de casos mesmo em países com taxas de vacinação relativamente altas.

O BCE ainda considera os riscos para a economia "amplamente equilibrados", disse Lagarde em coletiva de imprensa, embora as perspectivas continuem dependendo do curso da pandemia e do progresso das campanhas de vacinação em toda a Europa.

"A reabertura de grandes partes da economia está apoiando uma recuperação vigorosa no setor de serviços. Mas a variante Delta do coronavírus pode prejudicar essa recuperação nos serviços, especialmente no turismo e hospedagem", disse Lagarde.

Lagarde disse que as projeções econômicas da equipe do BCE, divulgadas na reunião de junho, incluem a premissa de que algumas medidas para conter o coronavírus continuarão durante o terceiro e quarto trimestres de 2021. Ela acrescentou que governos e cidadãos se tornaram mais capazes de lidar com a pandemia durante as ondas sucessivas.

Uma nova onda de infecções por coronavírus pode potencialmente prolongar as medidas de estímulo de emergência do BCE, que pelo cronograma atual se encerram em março do ano que vem.

(Por Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos