Mercado abrirá em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,40
    -0,06 (-0,09%)
     
  • OURO

    1.776,20
    +9,40 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    60.519,50
    -2.228,07 (-3,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.343,67
    -37,28 (-2,70%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.024,38
    +40,88 (+0,59%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.002,50
    -11,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7298
    +0,0087 (+0,13%)
     

BCE vê inflação mais alta neste ano e pouca mudança no cenário para crescimento

·1 minuto de leitura
Sede do Banco Central Europeu, em Frankfurt, Alemanha

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) elevou sua projeção de inflação para 2021 nesta quinta-feira, após um salto nos preços no início deste ano, e aumentou ligeiramente a estimativa de crescimento, embora os lockdowns para conter a pandemia de Covid-19 tenham sido estendidos.

No que descreve como cenário básico, o BCE espera expansão do PIB de 4,0% neste ano, em vez da taxa de 3,9% projetada em dezembro. A inflação foi calculada em uma média de 1,5%, contra 1% antes, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde.

Mas as projeções de longo prazo tiveram pouca mudança, indicando que os desvios deste ano são principalmente causados por fatores temporários que não alterariam o cenário geral.

Lagarde disse que os riscos para as perspectivas econômicas se tornaram mais equilibrados, mas continuam com viés negativo no curto prazo por causa da pandemia e das medidas para contê-la. Ela disse que fatores temporários e a inflação dos preços da energia levarão a uma alta dos preços maior do que o esperado antes para este ano e o próximo.

A inflação ainda deve ficar abaixo da meta do BCE, de quase 2%, por anos, entretanto, enquanto a economia ainda precisa de vários anos para retornar ao nível pré-pandemia.

(Reportagem de Balazs Koranyi)