Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.109,75
    -284,96 (-1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

BCE vê crescimento salarial "muito forte" nos próximos trimestres

BCE

FRANKFURT (Reuters) - O crescimento salarial em toda a zona do euro deve ser "muito forte" nos próximos trimestres, mas é provável que os salários reais ainda diminuam dada a inflação, apontou um artigo do Boletim Econômico do Banco Central Europeu nesta segunda-feira.

Um aumento histórico da inflação tem corroído a renda real nos últimos dois anos e as empresas estão finalmente começando a ajustar os salários, levando a preocupações de que a inflação elevada pode se perpetuar se os salários forem ajustados em uma base mais permanente.

"Espera-se que o crescimento salarial nos próximos trimestres seja muito forte em comparação com padrões históricos", concluiu o artigo escrito por economistas da equipe do banco.

"Isto reflete mercados de trabalho robustos que até agora não foram substancialmente afetados pela desaceleração da economia, aumentos nos salários mínimos nacionais e alguma recuperação entre salários e taxas altas de inflação."

Mas a desaceleração econômica esperada e a incerteza sobre as perspectivas devem pressionar para baixo o crescimento dos salários além do curto prazo, argumentaram os economistas.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, afirmou recentemente que os salários provavelmente estão aumentando a um ritmo mais rápido do que o previsto e que o BCE tem que impedir que isso aumente as expectativas de inflação a longo prazo.

O artigo, no entanto, parece minimizar as preocupações salariais, argumentando que os rendimentos reais continuarão a cair, pois a inflação será maior do que o aumento robusto dos salários nominais.

"Os salários reais dos consumidores são agora substancialmente mais baixos do que antes da pandemia e provavelmente cairão ainda mais nos próximos meses", concluiu o BCE no artigo.

"Isto poderia levar os sindicatos a exigir aumentos salariais mais altos nas próximas rodadas de negociação, especialmente nos setores com salários mais baixos."

(Reportagem de Balazs Koranyi)