Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,23
    -0,36 (-0,33%)
     
  • OURO

    1.815,10
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    29.171,81
    -1.333,37 (-4,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,57
    -20,11 (-3,00%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.892,50
    -667,75 (-5,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2193
    +0,0089 (+0,17%)
     

BCE tem que monitorar alta nas expectativas de inflação, diz de Guindos

Luis de Guindos, vice-presidente do Banco Central Europeu, em Berlim

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu precisa ficar de olho no recente aumento das expectativas de inflação para acima de sua meta de 2%, embora o crescimento salarial, um requisito fundamental para uma inflação duradoura, ainda esteja tímido, disse o vice-presidente do BCE, Luis de Guindos, nesta quinta-feira.

A alta dos preços acelerou para 7,4% no mês passado e, embora seja esperado um rápido recuo no segundo semestre deste ano, há preocupações crescentes de que alguma inflação permaneça além da crise atual, continuando acima de 2% nos próximos anos.

"As expectativas de inflação têm aumentado nos últimos meses e os sinais iniciais de revisões acima da meta nessas medidas justificam um monitoramento próximo", disse de Guindos a um comitê do Parlamento Europeu.

No entanto, disse ele, não há sinais de que o alto crescimento dos preços ao consumidor esteja se infiltrando na dinâmica de fixação de salários, um sinal potencialmente preocupante que sugeriria inflação persistente.

Com o crescimento dos preços provavelmente permanecendo acentuado por mais tempo, o BCE continuará a "normalizar" a política monetária, primeiro encerrando as compras de títulos, depois considerando aumentos de juros, disse de Guindos, repetindo a orientação atual do BCE.

(Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos