Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,49
    -0,22 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.630,10
    -3,30 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    19.103,60
    +396,00 (+2,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.320,25
    +4,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1797
    +0,0821 (+1,61%)
     

BCE promove alta sem precedentes dos juros de 0,75 ponto para combater inflação

FOTO DO ARQUIVO: Logotipo do Banco Central Europeu (BCE) em Frankfurt, Alemanha

Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) elevou suas taxas de juros em sem precedentes 75 pontos-base nesta quinta-feira, de forma a conter a inflação crescente, mesmo com uma recessão se mostrando cada vez mais provável, já que a Europa perdeu acesso ao vital gás natural russo.

Com a inflação no maior patamar em meio século e se aproximando do território de dois dígitos, as autoridades monetárias estão preocupadas com a possibilidade de a aceleração dos preços se tornar arraigada, corroendo o valor das poupanças das famílias e desencadeando uma espiral de alta de preços e salários difícil de se quebrada.

Dando seguimento ao aperto iniciado em julho, o BCE aumentou sua taxa de depósito para 0,75%, de zero, e elevou a taxa principal de refinanciamento para 1,25%, nível mais alto desde 2011, antecipando mais altas para outubro e dezembro.

"Temos mais jornada para cobrir daqui para frente", disse a presidente do BCE, Christine Lagarde, em entrevista coletiva, acrescentando que houve um acordo unânime entre os formuladores de política monetária sobre a necessidade de um aumento de 75 pontos-base para "adiantar" o movimento em direção a taxas consistentes com o esforço de trazer a inflação para sua meta de médio prazo de 2%.

As autoridades monetárias há semanas oscilavam entre um aumento de 50 e 75 pontos-base, mas outro salto na inflação cheia e no núcleo da inflação parece ter definido o debate, já que os números indicam que o crescimento dos preços está agora se infiltrando na economia mais ampla.

De fato, o BCE elevou mais uma vez suas projeções de inflação, elevando as perspectivas de 2023 para 5,5%, de 3,5%, e colocando a taxa de 2024 em 2,3%, acima da meta de 2%.

Os mercados ficaram pouco surpresos, no entanto, já que os investidores já haviam precificado uma probabilidade de mais de 80% de um movimento de 75 pontos-base, mesmo que os economistas consultados pela Reuters estivessem divididos de forma mais equilibrada, mostrando apenas uma pequena maioria esperando um movimento maior.

Com o comunicado do BCE dizendo explicitamente que mais aumentos de juros serão necessários, os mercados continuam esperando mais 50 pontos-base de alta na reunião do BCE em outubro.

Questionada sobre a direção futura e o ritmo das mudanças nas taxas, Lagarde disse: "Não dissemos 'aumentar em 75' como se 75 fosse a norma -não é".

Alguns formuladores de política monetária já falam abertamente em recessão, e as novas projeções do BCE também mostram um crescimento nitidamente menor nos próximos anos.

Ainda assim, uma recessão superficial pode até ser útil, argumentaram alguns, já que o mercado de trabalho do bloco está cada vez mais apertado e uma desaceleração pode aliviar as empresas que agora lutam para encontrar trabalhadores.

O banco vê a economia da zona do euro se expandindo 3,1% este ano e 0,9% em 2023. Embora a projeção de crescimento deste ano tenha aumentado um pouco, ela caiu acentuadamente para 2023.