Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.985,06
    +53,55 (+0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

BCE precisará de mais aumentos de juros para combater a inflação, diz De Cos

MADRI (Reuters) - O Banco Central Europeu “precisará de mais aumentos das taxas de juros” para combater a inflação, mesmo considerando a probabilidade cada vez maior de recessão na zona do euro, disse o membro do BCE Pablo Hernandez de Cos nesta quarta-feira.

“Mas em que nível e com que velocidade dependerá do panorama da inflação que, por sua vez, depende do panorama de crescimento e, portanto, inclui a probabilidade maior de recessão que agora estamos estimando”, disse De Cos, também chefia o Banco da Espanha, em um comunicado.

De Cos disse que, após uma desaceleração significativa do crescimento no terceiro trimestre, “esperamos mais enfraquecimento para o restante do ano e para a primeira parte de 2022” na zona de moeda única.

Embora o banco semana passada tenha retirado a referência em seu comunicado a prováveis aumentos de taxas em “várias” outras reuniões, a presidente do BCE, Christine Lagarde, pareceu voltar a essa terminologia após aumentar a taxa de depósito em 27 de outubro em 75 pontos-base, para 1,5%, seu maior patamar desde 2009.

A inflação na zona do euro acelerou para 10,7% em outubro e deve ficar acima do objetivo de 2% do BCE até 2024.

(Reportagem de Jesús Aguado)