Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,92
    +0,09 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.688,50
    -12,20 (-0,72%)
     
  • BTC-USD

    46.780,23
    -3.888,99 (-7,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    935,74
    -51,47 (-5,21%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.646,10
    -590,69 (-2,02%)
     
  • NIKKEI

    28.369,29
    -560,82 (-1,94%)
     
  • NASDAQ

    12.335,50
    -119,50 (-0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

BCE precisa de novas regras de compra de títulos que reflitam risco climático, argumentam autoridades

Leigh Thomas e Balazs Koranyi
·1 minuto de leitura
Presidente do banco central francês, François Villeroy de Galhau

Por Leigh Thomas e Balazs Koranyi

PARIS/FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu deve incorporar critérios climáticos em suas compras de títulos corporativos, argumentaram dois membros influentes de seu Conselho nesta quinta-feira, juntando-se a um círculo crescente de autoridades que pedem por novas regras de compra.

O BCE comprou cerca de 300 bilhões de euros em dívidas corporativas nos últimos anos como parte de seus esquemas de estímulo. Mas o banco tem enfrentado uma enxurrada de críticas de que seu programa favorece empresas poluidoras, porque elas estão representadas em excesso no mercado e os preços de seus títulos não refletem com precisão o risco climático.

O BCE já está debatendo se deve reformar os critérios de compra de títulos, e comentários do chefe do banco central francês, François Villeroy de Galhau, e seu colega holandês, Klaas Knot, sugerem uma pressão crescente por mudanças na forma como o banco ajuda a financiar corporações.

Villeroy argumentou que o BCE poderia cortar ou aumentar as cotas de volume de compra com base em critérios climáticos. Isso poderia limitar as compras se o desempenho climático de uma empresa for incompatível com o acordo climático de Paris ou levar a compras em excesso de empresas "alinhadas" com o tratado.

Mas ele não pediu pelo desvio de compras para títulos sustentáveis em uma "flexibilização quantitativa verde". Isso teria como alvo apenas um segmento restrito do mercado e teria um impacto geral menor.