Mercado abrirá em 6 h 29 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,49
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.878,50
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    22.588,21
    -646,10 (-2,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,00
    -16,89 (-3,15%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.391,60
    +108,08 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    27.570,85
    -35,61 (-0,13%)
     
  • NASDAQ

    12.590,00
    +44,75 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5769
    +0,0095 (+0,17%)
     

BCE precisa impedir que rápido crescimento salarial alimente inflação, diz Lagarde

Presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde

FRANKFURT (Reuters) - Os salários da zona do euro estão crescendo mais rápido do que se pensava e o Banco Central Europeu deve impedir que isso aumente a já alta inflação, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde, a um jornal croata.

O BCE elevou as taxas de juros em um total de 2,5 pontos percentuais desde julho, em uma tentativa de conter um aumento histórico da inflação e prometeu ainda mais aperto nas políticas nas próximas reuniões, à medida que as expectativas de crescimento dos preços a longo prazo começaram a se mover acima da meta de 2%.

"Sabemos que os salários estão aumentando, provavelmente em um ritmo mais rápido do que o esperado", disse Lagarde, segundo o jornal croata Jutarnji list, no sábado. "Não devemos permitir que as expectativas inflacionárias percam a âncora ou que os salários tenham um efeito inflacionário."

Lagarde não deu nenhuma dica de política na entrevista, mas disse que o banco deve "tomar as medidas necessárias" para reduzir a inflação para 2%, de sua taxa atual de quase 10%.

A Croácia ingressará na zona do euro em 1º de janeiro como o 20º membro do bloco monetário, entrando em um clube de elite em um momento de turbulência incomum, enquanto o BCE tenta domar a inflação depois de passar a última década desencadeando estímulos sem precedentes para reavivar o crescimento dos preços em um período excepcionalmente baixo.

“Precisamos ter cuidado para que as causas domésticas que estamos vendo, que estão principalmente relacionadas a medidas fiscais e dinâmica salarial, não levem a uma inflação arraigada”, disse Lagarde.

Lagarde acrescentou que a esperada recessão de inverno do bloco, induzida pelo aumento dos custos de energia, provavelmente será curta e superficial, desde que não haja choques adicionais.

(Por Balazs Koranyi)