Mercado abrirá em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,56
    +0,04 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.733,80
    +3,30 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    20.210,17
    +387,31 (+1,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,62
    +13,19 (+2,96%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    18.144,02
    +1.064,51 (+6,23%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.589,75
    -51,00 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1607
    -0,0072 (-0,14%)
     

BCE precisa encerrar reinvestimentos em títulos quando função tiver sido cumprida, diz Nagel

Joachim Nagel, presidente do Bundesbank, o BC alemão

LUCERNE, Suíça (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) precisa continuar aumentando as taxas de juros e também deve interromper as compras de títulos quando cumprirem seu objetivo, disse o presidente do Bundesbank, Joachim Nagel, nesta sexta-feira.

Com a inflação na zona do euro se aproximando de 10%, o BCE elevou os juros no ritmo mais rápido já registrado nos últimos meses e prometeu mais altas no próximo ano, na esperança de impedir que o rápido aumento dos preços se consolide.

Nagel apoiou esses planos em discurso, mas também expressou apoio à reversão de algumas das medidas não convencionais, como a substituição de títulos vencidos por novos.

Embora o BCE não esteja comprando novas dívidas, continua a reinvestir os bilhões de euros que vencem a cada mês em seu estoque de 5 trilhões de euros (4,86 ​​trilhões de dólares) em títulos.

"Acho importante encerrarmos nossas medidas especiais rapidamente quando elas tiverem feito seu trabalho", disse Nagel em palestra na Universidade de Lucerna, na Suíça.

Os reinvestimentos em um Programa de Compra de Ativos de 3,3 trilhões de euros devem durar indefinidamente, mas um número crescente de formuladores de política monetária quer cortar essas participações, e um debate sobre deixar alguns papéis expirarem deve começar no próximo mês.

(Por John Revill)