Mercado fechará em 2 h 23 min
  • BOVESPA

    107.282,41
    -1.168,80 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.421,00
    -21,21 (-0,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,34
    +0,19 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.669,90
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    19.450,57
    -119,00 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,42
    -1,56 (-0,35%)
     
  • S&P500

    3.636,16
    -82,88 (-2,23%)
     
  • DOW JONES

    29.173,85
    -509,89 (-1,72%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.181,75
    -374,00 (-3,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2736
    +0,0410 (+0,78%)
     

BCE precisa agir de forma decisiva e temores de recessão não devem limitar política monetária, diz Nagel

Presidente do banco central da Alemanha, Joachim Nagel

(Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) deve agir de forma decisiva para conter a inflação, disse o presidente do banco central da Alemanha, Joachim Nagel, nesta terça-feira, juntando-se a um coro de autoridades que pedem outro grande aumento da taxa de juros na semana que vem.

O BCE elevou sua taxa de depósito em 0,50 ponto percentual, para zero, no mês passado, e a única questão real sobre setembro parece ser se o banco aumentará os juros em 0,50 ou 0,75 ponto.

Embora Nagel não tenha compartilhado uma visão sobre o tamanho preciso do aumento a ser promovido, ele defendeu uma ação decisiva e destacou os benefícios de intensificar o início do ciclo de altas nos custos dos empréstimos.

"A política monetária tem que reagir de forma decisiva para preservar a credibilidade da meta de inflação", disse Nagel. "Dados de vários países mostram que intensificar o início ou antecipar os aumentos de juros reduz o risco de uma recessão econômica dolorosa."

Uma série de autoridades já disse que um aumento de 0,75 ponto percentual deve estar em jogo na próxima reunião do BCE. Outros, incluindo a diretora Isabel Schnabel e o presidente do banco central francês, François Villeroy de Galhau, pediram ações "contundentes" ou "significativas".

"Na minha opinião, um aumento maior da taxa de juros reduz o risco de as expectativas de inflação se desancorarem", disse Nagel.

Nagel também rebateu os argumentos de que uma recessão, cada vez mais provável nos próximos meses por causa dos altos preços da energia, deva desacelerar a trajetória do BCE.

"Não devemos adiar novos aumentos de juros por medo de uma possível recessão", disse ele. "As taxas de inflação não retornarão à meta de inflação do banco central por conta própria."

No entanto, ele disse que as expectativas de inflação de longo prazo ainda parecem estar ancoradas.

(Por Balazs Koranyi)