Mercado abrirá em 1 h 33 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,50
    -1,16 (-1,40%)
     
  • OURO

    1.798,50
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    61.077,79
    +2.503,86 (+4,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.471,89
    -2,44 (-0,17%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.236,58
    -16,69 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.645,50
    +58,25 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4210
    -0,0037 (-0,06%)
     

BCE poderia elevar compras de ativos após programa da pandemia

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Banco Central Europeu planeja discutir o aumento das compras regulares de ativos assim que o estímulo de emergência da pandemia for encerrado, mas qualquer expansão desse tipo é incerta, disse Madis Muller, membro do Conselho do BCE.

Most Read from Bloomberg

Embora a recuperação da zona do euro deva permitir ao BCE encerrar o programa de compras de títulos da pandemia de 1,85 trilhão de euros (US$ 2,2 trilhões) em março, as autoridades avaliarão como evitar que a recuperação seja prejudicada quando o suporte for retirado. Uma opção seria expandir o plano pré-crise acima dos atuais 20 bilhões de euros por mês, disse Muller em entrevista.

Suas observações apontam para o debate potencialmente contencioso que aguarda as autoridades de política monetária, especialmente as que temem um retorno à estrutura anterior à Covid que atingiria países altamente endividados, que ainda não estão prontos para ficar sem o suporte de emergência do BCE.

“Sei que seria um problema se houvesse um efeito precipício muito acentuado no final do programa de compras emergenciais da pandemia”, disse Muller, também presidente do banco central da Estônia.

Um possível aumento do antigo programa de flexibilização quantitativa é “parte da discussão que teremos sobre como eliminar o PEPP e o que isso significaria para as compras de ativos daqui para frente”, disse em referência ao Programa de Compras de Emergência na Pandemia. “E, claro, a decisão dependerá das condições do mercado na próxima primavera e das perspectivas econômicas nesse prazo.”

Yannis Stournaras, presidente do banco central da Grécia, alertou esta semana contra tirar conclusões antecipadas sobre o fim da ajuda durante a crise, dizendo que seria “muito arrogante da nossa parte declarar vitória”.

No entanto, algumas autoridades mostraram otimismo sobre as perspectivas da zona do euro recentemente. Isabel Schnabel, do conselho executivo do BCE, disse na segunda-feira que a recuperação está bem encaminhada, e o vice-presidente do BCE, Luís de Guindos, destacou o forte desempenho no segundo e terceiro trimestres.

“Dada a recuperação que vemos na economia, também as perspectivas para a inflação e, principalmente, as condições de financiamento extremamente favoráveis que continuamos a ter na zona do euro, devemos conseguir encerrar o PEPP em março, conforme comunicado e como no plano original”, disse Muller. “Se você perguntar qual é o resultado mais provável para mim, pessoalmente, este é o caso básico.”

Sobre a inflação, Muller disse que concorda com a visão de que os preços vão se acelerar mais rápido do que o indicado nas projeções atuais do BCE.

“É mais provável que tenhamos uma inflação, por exemplo, em 2023 maior que 1,5%, em vez de menor. O mesmo provavelmente se aplica à previsão de inflação de 1,7% para 2022.”

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos