Mercado abrirá em 36 mins
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,20
    +2,00 (+2,56%)
     
  • OURO

    1.773,10
    +9,40 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    16.895,80
    +379,59 (+2,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,96
    +12,24 (+3,15%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.551,33
    +39,33 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.553,50
    +28,75 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4700
    +0,0134 (+0,25%)
     

BCE pode ter que esfriar crescimento para conter inflação, diz Lagarde

Presidente do BCE, Christine Lagarde

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) pode precisar elevar tanto as taxas de juros que eles acabarão amortecendo o crescimento em meio ao combate à inflação alta, enquanto qualquer escoamento na carteira de títulos do BCE deve ser "calculado e previsível", disse a presidente do banco, Christine Lagarde, nesta sexta-feira.

O BCE elevou os juros em 200 pontos-base, algo sem precedentes, desde julho e sinalizou ainda mais aperto na política monetária por meio de novas altas, redução de sua carteira de dívida de 5 trilhões de euros e financiamento bancário mais caro.

"Esperamos aumentar ainda mais os juros - e retirar a acomodação pode não ser suficiente", disse Lagarde em discurso em uma conferência.

"Os juros são, e continuarão sendo, a principal ferramenta para ajustar nossa postura", disse ela. "Reconhecendo que os juros continuam sendo a ferramenta mais eficaz para moldar nossa postura, é apropriado que o balanço seja normalizado de maneira calculada e previsível."

As declarações sugerem que o banco central da zona do euro pretende reduzir passivamente seu Programa de Compra de Ativos de 3,3 trilhões de euros, principalmente de dívida governamental, colocando-o no piloto automático em vez de usá-lo para gerenciar ativamente a política monetária do BCE.

Em 1,5%, a taxa de depósito do BCE não está longe da chamada taxa neutra, na qual o banco não estimula nem impede o crescimento. A maioria das estimativas da taxa neutra está entre 1,5% e 2%, sugerindo que, após um aumento esperado em dezembro, a "acomodação" terá sido removida.

O problema é que a inflação, em 10,6%, está muito acima da meta de 2% do BCE e mesmo uma recessão, agora quase certa nos meses de inverno, não deve aliviar as pressões sobre preços o suficiente para permitir que o BCE desacelere seu ritmo de aperto.

Os investidores agora estão divididos em precificar uma alta de 50 ou de 75 pontos-base da taxa do BCE em dezembro, após aumentos consecutivos de 75 pontos. Eles veem a redução – conhecida como aperto quantitativo – de suas participações em títulos, principalmente emitidos por governos da zona do euro, a partir do primeiro semestre de 2023.

O BCE delineará planos para a redução do balanço em dezembro e o processo deve começar com o banco permitindo que algumas, mas não todas, detenções de títulos expirem.

(Reportagem de Balazs Koranyi e Francesco Canepa)