Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.099,84
    +656,74 (+1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

BCE pode eliminar gradualmente estímulos de emergência quando vacinação aumentar, diz De Guindos

·2 minuto de leitura
Vice-presidente do BCE, Luis de Guindos

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) pode começar a eliminar gradualmente as medidas de estímulo de emergência quando o ritmo da vacinação contra o coronavírus atingir um nível crítico e a economia acelerar, disse Luis de Guindos, vice-presidente do banco, a um jornal italiano.

A próxima reunião do BCE será em 10 de junho e os membros conservadores já estão pedindo um corte nas compras de títulos, enquanto outros, particularmente do sul do bloco, defendem a paciência para reduzir o suporte.

"Se, ao acelerarmos a campanha de vacinação, conseguirmos vacinar 70% da população adulta da Europa até o verão (do hemisfério norte) e a economia começar a ganhar velocidade, poderemos também começar a pensar em eliminar o estímulo de emergência do lado da política monetária", disse de Guindos ao La Repubblica.

"A normalização da política monetária deve andar de mãos dadas com a normalização da economia", disse de Guindos em entrevista ao jornal.

Até agora, menos de 30% da população do bloco recebeu sua primeira dose da vacina contra a Covid-19. Especialistas dizem que é improvável que 70% das pessoas sejam totalmente vacinadas antes do final de julho, com o final de agosto sendo visto como um prazo mais realista.

Mas de Guindos também advertiu contra a permanência do estímulo do banco central por muito tempo, alertando que os efeitos colaterais podem ser tão prejudiciais quanto a remoção do apoio muito cedo.

"Prolongar as medidas de emergência por muito tempo pode correr o perigo de risco moral, bem como a zombificação de partes da economia europeia", disse ele

Grande parte do setor de serviços da Europa é agora mantido à tona por subsídios governamentais e de Guindos pediu aos governos que removam esse apoio apenas gradualmente, mesmo que isso sobrecarregue os Orçamentos e aumente ainda mais os níveis da dívida.

"Será crucial que essas medidas sejam retiradas gradualmente e com muita prudência após a crise. Caso contrário, corremos o risco de sufocar a recuperação", disse ele

(Por Balazs Koranyi)