Mercado abrirá em 9 h 25 min
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,40
    -0,05 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.719,20
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    20.003,38
    -338,85 (-1,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,08
    -8,05 (-1,74%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.824,46
    -187,69 (-1,04%)
     
  • NIKKEI

    27.149,76
    -161,54 (-0,59%)
     
  • NASDAQ

    11.540,75
    -1,00 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1012
    -0,0123 (-0,24%)
     

BCE pede a bancos que revejam planos de capital diante de desaceleração econômica

FRANKFURT (Reuters) - A situação do setor bancário na zona do euro é robusta frente a uma possível recessão, mas o Banco Central Europeu (BCE) segue pedindo às instituições que revisem seus planos de capital, disse Andrea Enria, supervisor ​​da entidade, nesta segunda-feira.

Os bancos montaram uma ampla posição de capital nos últimos anos e também podem se beneficiar do aumento das taxas de juros, mas uma quase certa recessão econômica e os custos de energia altíssimos devem pesar em partes do setor.

"Estamos pressionando os bancos a focar na concentração de exposição em setores que são particularmente dependentes de energia e frágeis a choques energéticos", disse Enria em uma conferência em Bruxelas.

"Então, estamos pedindo aos bancos que revejam suas projeções de capital para cenários severos e adversos e vamos dialogar com eles."

Enria observou que as empresas envolvidas no financiamento de imóveis comerciais, imóveis residenciais e ao consumidor estão particularmente expostas ao aumento dos custos de empréstimos e merecem atenção.

"Também há a questão das exposições a compensação de derivativos de energia que vimos como um problema nos últimos tempos", disse Enria.

(Por Balazs Koranyi)