Mercado abrirá em 6 h 35 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,25
    +0,30 (+0,43%)
     
  • OURO

    1.788,80
    +6,50 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    57.044,22
    -213,04 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.438,81
    +9,88 (+0,69%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.109,95
    +65,92 (+0,94%)
     
  • HANG SENG

    23.542,60
    -309,64 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    28.341,00
    +57,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    16.360,00
    -30,75 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3404
    +0,0112 (+0,18%)
     

BCE não deve reagir a atual salto da inflação, diz Lagarde

·1 min de leitura
Christine Lagarde, presidente do BCE

FRANKFURT (Reuters) - A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, afirmou nesta sexta-feira que a inflação na zona do euro vai diminuir e portanto o BCE não deve apertar a política monetária, já que isso pode sufocar a recuperação, e indicou a continuidade das compras de títulos no próximo ano.

A inflação na zona do euro atingiu 4,1% em outubro na base anual, pressionada por custos mais altos da energia, e deve permanecer acima da meta de 2% do BCE no ano que vem já que a oferta restrita devido à pandemia não consegue acompanhar a reabertura da economia.

Mas Lagarde insistiu que o BCE não deve pisar no freio agora, mas sim continuar alimentando a recuperação da economia.

"Quando a expectativa é de que a pressão inflacionária vai diminuir --como é o caso agora-- não faz sentido reagir apertando a política monetária", disse ela. "O aperto não afetaria a economia até depois que o choque já tivesse passado."

O BCE vai decidir o futuro de seus programas de compra de títulos na reunião de política monetária de 16 de dezembro.

Embora o BCE já tenha sinalizado que seu Programa de Compras Emergenciais da Pandemia, de 1,85 trilhão de euros, vai acabar em março, Lagarde disse que as compras de ativos ainda serão "importantes" após essa data.

"Mesmo após o fim esperado da emergência da pandemia, ainda será importante que a política monetária --incluindo a calibragem apropriada das compras de ativos-- dê suporte à recuperação e ao retorno sustentável da inflação à nossa meta de 2%", disse ela.

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos