Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.449,22
    +594,34 (+2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

BCE não deve elevar juros em julho antes de dados do PIB do 2º trimestre, diz Panetta

Logotipo do Banco Central Europeu (BCE) em Frankfurt, Alemanha, 23 de janeiro de 2020. REUTERS/Ralph Orlowski

MILÃO (Reuters) - O Banco Central Europeu não deve aumentar as taxas de juros em julho, embora as perspectivas de inflação sugiram que ele pode reduzir gradualmente o apoio à economia, disse Fabio Panetta, membro da diretoria do BCE, ao jornal italiano La Stampa.

Embora um número crescente membros do BCE esteja defendendo a alta dos juros na reunião de política monetária de 21 de julho, Panetta lembrou que após a reunião serão disponibilizados os dados de crescimento econômico da zona do euro no segundo trimestre.

"Seria imprudente agir sem ter visto primeiro os números sobre o PIB do segundo trimestre e discutir outras medidas sem um entendimento completo de como a economia poderia se desenvolver", disse Panetta ao La Stampa desta quinta-feira.

"Não faz muita diferença se é dois ou três meses mais cedo ou mais tarde", disse ele na entrevista ao jornal.

Os mercados financeiros precificam 20 pontos-base de alta em julho.

Panetta tem defendido há tempos a cautela na remoção do apoio à economia, preocupando-se com o fato de que agir muito rapidamente poderia minar anos de esforço para reacender a inflação.

No entanto, os preços ao consumidor da zona do euro estão disparando. A inflação chegou a 7,5% em abril na comparação com o ano anterior, e mesmo o núcleo da inflação está quase o dobro da meta de 2% do BCE.

(Reportagem de Federico Maccioni)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos