Mercado fechado

BCE lança revisão de política monetária que redefinirá objetivo e ferramentas

Por Francesco Canepa e Michelle Martin

Por Francesco Canepa e Michelle Martin

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu lançou nesta quinta-feira uma ampla revisão de sua política monetária, com expectativa de que a nova presidente, Christine Lagarde, redefina o principal objetivo do BCE e como alcançá-lo.

O banco central da zona do euro ficou aquém de sua meta de inflação de pouco menos de 2% durante anos, mesmo depois que o antecessor de Lagarde, Mario Draghi, lançou medidas de estímulo cada vez mais agressivas.

Lagarde disse que esse objetivo agora será revisto, juntamente com o kit de ferramentas do BCE, como o banco mede o crescimento dos preços e como se comunica com o público.

"Não deixaremos pedra sobre pedra e como medimos a inflação é claramente algo que precisamos avaliar", disse Lagarde em sua segunda entrevista coletiva como presidente do BCE.

Como o BCE muda sua formulação de estabilidade de preços - atualmente definida como uma taxa de inflação anual abaixo mas próxima de 2% no médio prazo - será crucial para antecipar futuras mudanças de política monetária.

O BCE pode sinalizar seu compromisso com o aumento da inflação ao elevar a meta para 2% e explicando que levará qualquer resultado abaixo da meta tão a sério quanto uma superação dela.

Mas os 'hawks' do Conselho do BCE, que há muito tempo pedem o fechamento das torneiras de dinheiro do BCE, não vão desistir sem lutar.

Alguns deles defendem a criação de uma faixa de tolerância em torno de 2%, o que reduziria a pressão sobre o BCE para agir, enquanto outros preferem deixar o objetivo inalterado ou até cortá-lo.

Lagarde se absteve de revelar sua opção preferida, com o final da revisão prevista para novembro ou dezembro.

Uma análise sobre como incorporar melhor os custos de moradias, que vêm subindo rapidamente na Alemanha e em outros países da zona do euro, deve demorar ainda mais, acrescentou Lagarde.


MUDANÇAS CLIMÁTICAS

O BCE também analisará atentamente como pode incorporar o impacto econômico das mudanças climáticas em sua política monetária, uma questão que alguns dos colegas de Lagarde não acreditam pertencer ao mandato de um banco central.

O BCE será fiel à sua estratégia atual até que uma nova seja adotada, adicionou Lagarde.

As autoridades do BCE não fizeram nenhuma mudança de política monetária nesta quinta-feira, simplesmente mantendo sua promessa de continuar comprando títulos e, se necessário, cortando as taxas de juros até que o crescimento dos preços na zona do euro retorne ao seu objetivo.

Eles discutiram, no entanto, a recente melhoria nas perspectivas econômicas, com estabilização dos dados e a assinatura do acordo comercial entre os Estados Unidos e a China.

Lagarde reconheceu que as opiniões divergiram dentro do Conselho do BCE e que a discussão é bem-vinda, enfatizando as habilidades diplomáticas que seu antecessor era frequentemente acusado de não ter.

Enquanto a revisão ocorre, a expectativa é de que o BCE não mexa em sua política monetária.

Com a decisão desta quinta-feira, a taxa de depósito do BCE, atualmente sua principal ferramenta de juros, permanece na mínima recorde de -0,50%.