Mercado abrirá em 10 mins
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,38
    +0,94 (+1,14%)
     
  • OURO

    1.780,80
    +15,10 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    62.192,47
    +1.272,50 (+2,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.454,03
    +2,40 (+0,16%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.208,03
    +4,20 (+0,06%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.357,00
    +66,50 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4176
    +0,0261 (+0,41%)
     

BCE estuda novo plano de compras de títulos no pós-crise: Fontes

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Banco Central Europeu estuda um novo programa de aquisição de títulos para evitar qualquer turbulência no mercado quando as compras de emergência forem encerradas no próximo ano, segundo autoridades a par do assunto.

Most Read from Bloomberg

O plano substituiria a ferramenta para a crise existente e complementaria um programa mais antigo de flexibilização quantitativa que atualmente compra 20 bilhões de euros (US$ 23,1 bilhões) em dívidas todos os meses, disseram as autoridades, que falaram sob anonimato.

Nenhuma decisão foi tomada, disseram as fontes. Um porta-voz do BCE não quis comentar a informação, embora tenha destacado que a equipe avalia várias ideias que não são necessariamente apresentadas ao conselho do BCE ou à comissão executiva.

Tal iniciativa atuaria como um seguro caso o fim programado em março do chamado Programa de Compras de Emergência na Pandemia de 1,85 trilhão de euros, conhecido como PEPP, leve a uma onda vendedora no mercado de títulos de países altamente endividados como a Itália, segundo as autoridades.

Sob o plano, as compras seriam realizadas de forma seletiva, disseram. Isso contornaria uma regra aplicável a ambos os programas existentes segundo a qual bancos centrais compram dívidas de acordo com o tamanho da economia de cada país.

Essa regra está em vigor desde 2015, quando as compras de ativos em larga escala foram iniciadas. O objetivo é dissipar as preocupações de que o BCE esteja financiando governos, o que é proibido por lei.

Cientes da crise que afetou a Itália no início da pandemia, autoridades do BCE buscam suavizar a saída das atuais estruturas de estímulo de emergência, ao mesmo tempo que controlam a especulação de investidores, agora que governos estão ainda mais expostos após acumular dívidas para financiar o enorme suporte fiscal.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, e autoridades da instituição adiaram para dezembro a atualização da trajetória do estímulo monetário no próximo ano. Em entrevista em julho à Bloomberg TV, Lagarde disse que o programa da pandemia poderia ser seguido por uma “transição para um novo formato”, sem dar detalhes.

O vice-presidente do BCE, Luís de Guindos, disse na segunda-feira que o banco central decidirá na reunião de política monetária no final do ano “quais alternativas existem” para esse programa “se houver necessidade de alternativas.”

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos