Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.247,76
    -241,27 (-1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

BCE está pronto para grande aumento de juros diante de inflação alta na Europa

Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu vai aumentar as taxas de juros novamente na quinta-feira para combater a inflação descontrolada e, com um grande movimento em avaliação, a única questão é quanto.

Preocupados com o fato de a inflação altíssima estar ficando cada vez mais arraigada, os formuladores de políticas estão se esforçando para conter o aumento de preços mais prejudicial do bloco em quase meio século, à medida que consome as economias das famílias e pesa sobre a produção das empresas.

Em última análise, a escolha será entre um aumento de 50 e 75 pontos base na taxa de depósito de zero por cento.

Este último seria o maior aumento já realizado na taxa de referência do BCE, mas, independentemente do resultado, a direção do movimento do banco será clara.

Mais aumentos estão previstos para os próximos meses, uma vez que as pressões de preços já esperadas para inaugurar uma recessão de inverno excedem consistentemente até mesmo as previsões mais pessimistas.

"Achamos que é uma decisão muito próxima, com bons argumentos de cada lado, mas, em última análise, achamos que aqueles que defendem um aumento maior prevalecerão, já que setembro oferece a melhor oportunidade para enviar um sinal claro de determinação", disse Jens Eisenschmidt, economista do Morgan Stanley.

As atualizações das previsões do BCE certamente mostrarão uma inflação acentuadamente mais alta e um crescimento econômico significativamente mais fraco.

Os preços altíssimos da energia minam o poder de compra e quase certamente mergulham o bloco em uma recessão que pode ser exacerbada por um BCE agressivo, especialmente com o aumento dos custos dos empréstimos para os governos que tentam ajudar os mais afetados.

A inflação principal da zona do euro está acima de 9%, indicando que mais e mais pressões de preços impulsionadas pela energia estão se infiltrando na economia em geral.

(Por Balazs Koranyi)