Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.454,50
    +123,60 (+0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

BCE de Draghi fica para trás com ascensão de dirigentes hawkish

(Bloomberg) -- Pela primeira vez em uma geração, dirigentes que defendem uma política monetária mais agressiva para a zona do euro parecem dar o tom no Banco Central Europeu.

O que começou como um empurrão solitário por Klaas Knot da Holanda há pouco mais de três semanas - para considerar um aumento de meio ponto percentual na taxa básica de juros - se transformou em uma nova campanha de aperto monetário para a zona do euro, conforme revelado pela presidente Christine Lagarde na quinta-feira.

A combinação de um fim iminente das compras de títulos e promessas de dois aumentos no custo do dinheiro, incluindo um provável movimento de 0,5 ponto percentual em setembro, representa uma grande vitória para o contingente predominantemente do norte da Europa de dirigentes preocupados com a inflação recorde.

A mudança de rumo marca não apenas uma guinada na avaliação da ameaça de preços que afeta a região, mas também um reequilíbrio de poder dentro do Conselho do BCE.

Um círculo de funcionários cujas opiniões a favor de políticas mais restritivas eram frequentemente desconsideradas quando Mario Draghi estava no comando agora parece ter prevalecido, marcando o fim de uma era em que a posição do ex-presidente dominava amplamente.

“São os falcões ganhando todas as posições, assim como os pombos fizeram por muitos anos”, disse Karsten Junius, economista-chefe do Banco J Safra Sarasin. “Sem dúvida, são os falcões que prevaleceram e pressionaram Lagarde. O compromisso de 50 pontos-base é algo que nunca vimos.”

Um aumento de meio ponto - como o do Federal Reserve nos EUA em maio - agora está efetivamente incorporado à trajetória de política monetária do BCE. Basta que as perspectivas de inflação permaneçam tão ruins ou piores do que as autoridades atualmente consideram.

Também foi significativo o empenho em altas consecutivas nas próximas duas reuniões. Isso equivale ao tipo de “pré-compromisso” que o ex-presidente Jean-Claude Trichet, que liderou o BCE durante grande parte da primeira década do século, costumava evitar.

Durante os oito anos em que seu sucessor, Draghi, esteve no comando - até 2019 - os pontos de vista de dirigentes hawkish como Knot e o então presidente do Bundesbank Jens Weidmann não tinham muito peso. Agora o holandês e seus colegas da Alemanha, Áustria e outros lideram uma guinada.

“A inflação na zona euro não vai desacelerar por conta própria”, disse o substituto de Weidmann, Joachim Nagel, na sexta-feira.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos