Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.828,56
    -1.621,00 (-2,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

BCE diz que sua política pode estar diminuindo, não aumentando a desigualdade

·1 minuto de leitura
Logo do Banco Central Europeu em Frankfurt

FRANKFURT (Reuters) - Anos de política monetária ultrafrouxa do Banco Central Europeu (BCE) podem ter, na verdade, diminuído a desigualdade por meio da criação de empregos que beneficiou desproporcionalmente os mais pobres, disse o BCE nesta quarta-feira.

O banco central tem enfrentado críticas de que suas taxas em mínimas recordes e sua excessiva compra de ativos favorecem principalmente pessoas ricas que têm amplos ativos financeiros e grandes hipotecas, enquanto penaliza poupadores comuns e famílias com pouco ou nenhum ativo.

Os críticos também dizem que as taxas baixas impulsionaram um boom imobiliário que tornou as propriedades, incluindo o aluguel, inacessíveis às famílias mais pobres.

Em um artigo do seu boletim econômico regular, o BCE reconheceu que a desigualdade tem aumentado de forma constante ao longo de décadas, mas afirmou que as causas básicas estão além do escopo da política monetária e incluem fatores como a globalização, o progresso tecnológico e as mudanças fiscais.

O BCE disse que seu programa de compras de ativos, iniciado em 2015, ajudou a reduzir as taxas de desemprego entre os 20% mais pobres em mais de 2 pontos percentuais. As taxas de desemprego de todos os outros grupos de renda, entretanto, caíram menos de 0,5 ponto percentual.

(Reportagem de Balazs Koranyi)