Mercado abrirá em 4 h 25 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,42
    -0,43 (-0,81%)
     
  • OURO

    1.833,70
    -11,20 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    31.291,10
    -356,95 (-1,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    630,76
    +3,10 (+0,49%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.567,37
    -86,64 (-1,30%)
     
  • HANG SENG

    28.624,27
    -673,26 (-2,30%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.989,50
    -116,00 (-0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5443
    -0,0094 (-0,14%)
     

BCE deveria explorar controle da curva de juros, diz de Cos

·1 minuto de leitura
Sede do BCE em Frankfurt

MADRI (Reuters) - O Banco Central Europeu deveria explorar a opção de mudar para o controle da curva de juros de forma a aumentar a inflação, já que tal política poderia até reduzir o volume de compras de títulos, disse Pablo Hernández de Cos, membro do Conselho do BCE.

O Banco do Japão e o banco central da Austrália estão limitando os rendimentos dos títulos do governo para manter os custos dos empréstimos estáveis, mas os críticos vêem essa abordagem como arriscada, uma vez que, essencialmente, os bancos centrais prometem comprar quantidades ilimitadas de títulos para garantir certos níveis de rendimento.

"Acho que o controle da curva de juros é uma opção que vale a pena explorar", disse de Cos em uma entrevista à revista Central Banking. "A experiência desses bancos centrais sugere que, se suficientemente confiável, o controle da curva de juros permite que o banco central alcance uma configuração de curva de juros com uma quantidade menor de compras reais, aumentando assim a eficiência."

Em dezembro, o BCE lançou mais medidas de estímulo, contando com aumento de 500 bilhões de euros e prorrogação de nove meses em seu esquema de compra de títulos de emergência, agora no valor de 1,85 trilhão de euros, para tirar o bloco monetário de uma recessão de duplo tombo.

(Por Jesús Aguado)