Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.233,13
    -73,66 (-0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

BCE deveria discutir alta no juro de 0,75 p.p. no próximo mês, diz integrante do banco central

Sede do BCE em Frankfurt

ALPBACH, Áustria (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) deveria incluir um aumento da taxa de juros de 75 pontos-base entre suas opções para a reunião de política monetária de setembro, dada a inflação excepcionalmente alta, disse nesta terça-feira o membro do conselho do BCE e presidente do banco central da Estônia, Madis Muller.

Com a inflação se aproximando de dois dígitos, é quase certo que o BCE vai aumentar as taxas novamente em 8 de setembro, e alguns formuladores de política monetária estão agora defendendo outro grande movimento após um aumento de 50 pontos-base em julho.

"Acho que 75 pontos-base deveriam estar entre as opções para setembro, já que a perspectiva de inflação não melhorou", disse ele à Reuters durante uma conferência. "Ainda assim, vou para a reunião com a mente aberta e quero ver as novas projeções e ouvir os argumentos do meu colega."

Muller alertou contra timidez excessiva no aperto da política monetária, já que a inflação, que ainda deve subir antes de cair no próximo ano, roda a mais de quatro vezes a meta de 2% do BCE.

"Não devemos ser muito tímidos com os movimentos de política (monetária), já que a inflação está muito alta há muito tempo e ainda estamos muito abaixo da taxa neutra", acrescentou.

(Por Balazs Koranyi)