Mercado abrirá em 1 h 32 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,12
    +0,94 (+1,56%)
     
  • OURO

    1.744,00
    -3,60 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    64.399,39
    +1.642,67 (+2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.390,92
    +96,93 (+7,49%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.906,19
    +15,70 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.013,75
    +38,00 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8344
    +0,0032 (+0,05%)
     

BCE deve sinalizar impressão mais rápida de dinheiro para combater alta de rendimentos

Balazs Koranyi e Francesco Canepa
·2 minuto de leitura
Sede do BCE em Frankfurt

Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu deve sinalizar impressão mais rápida de dinheiro nesta quinta-feira para conter os custos de empréstimos, mas não deve dar mais poder de fogo a seu já agressivo pacote de combate à pandemia.

Preocupado que o aumento nos custos de empréstimo possa prejudicar a recuperação do bloco da recessão provocada pela pandemia, as autoridades do BCE que se reúnem nesta quinta-feira buscarão acalmar os mercados e reafirmar as taxas em níveis baixos até a recuperação.

Mas converter esse compromisso em ação específica de política monetária será um exercício de equilíbrio delicado para a chefe do BCE, Christine Lagarde.

O BCE não pode aparentar que está microgerenciando os rendimentos os títulos já que isso o deixaria de mãos atadas no futuro e provocaria acusações de que está blindando os governos das forças do mercado.

O banco central da zona do euro também buscará não superestimar o aumento nos rendimentos, que ainda estão baixos de acordo com muitos padrões, com a curva de rendimentos da Alemanha, referencial para o bloco, ainda em território negativo.

Já tendo se comprometido a "manter condições de financiamento favoráveis", no entanto, o BCE não pode ignorar a alta nos custos de empréstimos, que não foi acompanhada por melhora das perspectivas econômicas e reflete principalmente o movimento nos Treasuries.

Outra complicação é que as autoridades já aprovaram todo o poder de fogo necessário para combater a alta nos rendimentos, então tecnicamente nenhuma decisão é necessária. O BCE ainda tem uma cota de 1 trilhão de euros para comprar títulos até março próximo.

Mas os mercados agora duvidam do compromisso do BCE: os volumes de compra na verdade caíram nas duas últimas semanas, contra expectativas de que o banco usará sua tão enfatizada "flexibilidade" para acelerar as compras de títulos em linha com uma série de alertas verbais das autoridades.

Portanto a decisão desta quinta-feira será mais um exercício de comunicação, com as autoridades buscando convencer os investidores de que a flexibilidade é real e usável, mesmo que não mecanicamente com metas determinadas.